Províncias

Projectos sociais dão outra imagem à Cela

Casimiro José | Sumbe

À semelhança de outras localidades da província e do país, o atraso resultante na disponibilização da verba, em função da revisão do Orçamento Geral do Estado (OGE), forçou a administração municipal da Cela a replanificar e transferir a maior parte dos projectos do ano transacto para este ano.

À semelhança de outras localidades da província e do país, o atraso resultante na disponibilização da verba, em função da revisão do Orçamento Geral do Estado (OGE), forçou a administração municipal da Cela a replanificar e transferir a maior parte dos projectos do ano transacto para este ano.
De acordo com o administrador Isaías Bumba Luciano, a administração municipal da Cela está a executar oito projectos, com acções que incidem nos sectores da Saúde, Educação, Energia e Águas, Assistência Social, Habitação, Obras Públicas e acções de índole administrativa.
  Constam no pacote de acções a construção e apetrechamento do centro de saúde na comuna da Sanga, construção e apetrechamento de duas escolas primárias com seis salas cada, nas localidades de Tengue e da Sanga, prossecução da segunda fase da escola do II ciclo do ensino secundário do Wako-Kungo e reabilitação do lar de estudantes e do edifício da repartição municipal da Educação.
  Ainda para o presente ano, vão ser executadas acções de reabilitação e  requalificação dos jardins, reparação de passeios e lancis, reabilitação, ampliação e melhoramento da rede de distribuição da corrente eléctrica pública e domiciliária, tendo sido adquiridos dois grupos geradores, construção dos sistemas de captação, tratamento e distribuição de água potável nos bairros Kissecula, Cambango e Mbanza-Ngumba e construção e apetrechamento de um Pic-Pec e de um balneário público.
  Constam ainda do leque de acções do programa para 2010, a construção de um edifício para albergar os Serviços de Emigração e Estrangeiros, apetrechamento do posto policial da comuna de Kissanga-kungo, construção e apetrechamento da residência do administrador comunal da Sanga e reabilitação do cemitério municipal, bem como de pontes e pontecos nas estradas secundárias e terciárias.
  Segundo o administrador da Cela, Isaías Bumba Luciano, “a implementação do novo estatuto orgânico das administrações municipais, à luz do Decreto-Lei nº17/2009, introduziu nova dinâmica na organização e funcionamento, com a dotação de mais órgãos, quadros e capacidades de atendimento público”, sublinhando que esforços continuam a ser consentidos para a adaptação dos quadros e técnicos à conjuntura actual.  O administrador municipal da Cela revelou ao Jornal de Angola que a vida dos munícipes tende a melhorar, a julgar pelas acções em curso que contam com a colaboração dos agentes económicos e da população.
  “São cada vez melhor as condições de vida dos munícipes, fruto do trabalho que estamos a empreender, nos vários domínios da vida social e económica, mas ainda não sentimos o dever cumprido, antes pelo contrário temos de redobrar esforços para fazermos mais e melhor”, frisou.
 Isaías Bumba Luciano lembrou que “os investimentos do sector empresarial privado que estão a ser feitos no município têm de encontrar entrosamento com as acções do governo local e só assim é que se podem traçar políticas de redução da fome e pobreza no seio das populações locais”.
 
Saúde e educação

 
Os sectores da Saúde e da Educação não fogem à regra sobre as dificuldades conjunturais que o país vive e, para dispor esses serviços às populações, as autoridades locais redobram esforços para responderem as necessidades dos munícipes. A rede sanitária do município conta com um hospital municipal com 153 camas para internamento, três centros de saúde, 22 postos de saúde, 12 farmácias e quatro postos de enfermagem.
De acordo com as autoridades, no município da Cela registam-se frequentemente casos de paludismo, doenças respiratórias e diarreicas agudas. A rede escolar está composta por 75 escolas, o que perfaz um total de 608 salas de aulas, sendo 69 do ensino primário,  três do I ciclo e uma do II ciclo do ensino secundário. Para o presente ano, de acordo com as autoridades, são necessários mais escolas e professores para diminuir as carências que se fazem sentir no sector.

Agricultura e pecuária

O município da Cela é considerado um dos celeiros da província, por dispor de terras férteis, regularidade de chuvas e clima que permite praticar a agricultura. Durante a campanha agrícola 2009/2010 e no quadro do Programa de Extensão e Desenvolvimento Rural (PEDR), estão planificados e preparados mais de 500 hectares de terra, distribuídas para os sectores empresarial e camponês, envolvendo um total de 26 mil  famílias camponesas e 96 empresas agrícolas. A população animal comporta 22 mil cabeças de gado bovino, 12 mil de caprino, nove mil de suínos, 13 mil de ovinos e 55 mil bicos de aves de capoeira.

Comércio e turismo
 
O município da Cela ostenta locais paisagísticos e turísticos, mas devido ao conflito armado muitos deles se encontram em estado de abandono. Aliado ao factor guerra, está também a pouca intervenção dos empresários ligados ao turismo, situação que está a condicionar a sua rentabilização, a fim de arrecadar receitas para o seu desenvolvimento. O município da Cela, com uma superfície de 5.525 quilómetros quadrados, tem uma população estimada em 240 mil habitantes, que maioritariamente vive da agricultura. Administrativamente está dividida em três comunas, sendo a sede, a da Kissanga-Kungo e Sanga e uma área administrativa de Cachongono.

Tempo

Multimédia