Províncias

Quadros da Saúde apostam na melhoria de serviços

Victor Pedro| Sumbe

Quadros da Saúde, de vários estabelecimentos hospitalares da província do Cuanza Sul, defenderam terça-feira, no Sumbe, a necessidade de o Governo buscar soluções viáveis a médio e curto prazo, para resolver os principais problemas que afectam o sector, no quadro do programa de municipalização dos serviços de saúde.

Eusébio Teixeira lamenta a falta de interacção entre gestores da Saúde e administradores
Fotografia: Fernando Camilo | Edições Novembro

Os funcionários da Saúde falavam durante um encontro de auscultação, promovido pelo governo provincial, no sentido de ouvir as situações que preocupam o sector nas várias áreas de serviço que atendem, com o objectivo de encontrar soluções que contribuam para melhorar a qualidade dos serviços de saúde a nível dos doze municípios do Cuanza Sul.
Os principais problemas colocados durante o encontro pelos quadros provenientes dos municípios foram situações relacionadas com a falta de pessoal técnico, técnicos auxiliares e médicos especializados, enfermeiros qualificados por áreas, falta de infra-estruturas, de condições de trabalho e actualização da carreira profissional, entre outras.
O enquadramento dos quadros que concorreram em 2014 e 2016, falta de transparência durante a realização dos concursos públicos, falta de cotação financeira das repartições municipais da Saúde, falta de informação e tramitação dos processos em tempo recorde aos seus destinatários e material gastável foram igualmente abordados durante o encontro.
A falta de subsídios e a reabilitação e ampliação das infra-estruturas, formação, apetrechamento dos hospitais, centros médicos e postos de saúde mereceuram também a atenção dos participantes.
Henrique Silvestre, da  Direcção Provincial da Saúde, falando sobre a problemática dos cartões de segurança social, afirmou que já foram emitidos e aguarda-se apenas pela sua distribuição aos funcionários.
Sobre os subsídios, o responsável garantiu que os mesmos são atribuídos de acordo com o que está estipulado por lei, acrescentando que isso só será possível quando houver dotação financeira.
O delegado provincial das Finanças explicou que a situação dos quadros que participaram nos concursos públicos de 2014 e 2016 e que não foram enquadrados tem a ver com as cotações financeiras, que não estavam disponibilizadas pelo Ministério das Finanças, em função da situação financeira que o país atravessa, mas lembrou que esforços estão a ser feitos para que todos sejam, de forma gradual, enquadrados. O responsável das Finanças exortou as administrações municipais a accionarem mecanismos que visam reforçar os programas de municipalização dos serviços de saúde.
No final do encontro de auscultação, o governador provincial do Cuanza Sul, Eusébio de Brito Teixeira, mostrou-se preocupado com os problemas levantados pelos quadros do sector da Saúde, que entende serem básicos e devem merecer atenção dos gestores públicos, pelo facto de o sector da Saúde ter descentralizado a gestão dos programas de municipalização dos serviços de saúde, que são de responsabilidade das administrações municipais e dos gestores públicos.
Na ocasião, o governante chamou atenção aos serviços de inspecção local no sentido de vigiarem a cabimentação destes programas, por forma a se acabar com os problemas que põem em causa o bom funcionamento do sector. Eusébio de Brito Teixeira anunciou a visita em breve do ministro da Saúde à província, um facto que, no seu entender, vai ajudar a resolver muitas situações que transcendem o governo local. Lamentou a falta de interacção e comunicação entre os responsáveis da Saúde e os gestores das administrações municipais.
Participaram no encontro  membros do governo, administradores municipais, delegados, directores, responsáveis seniores da Direcção Provincial da Saúde, técnicos, enfermeiros, médicos, pessoal auxiliar e representantes da sociedade civil.

Tempo

Multimédia