Províncias

Quibala investe na luta contra a sida

Um Centro de Aconselhamento e Testagem Voluntária de VIH/Sida foi inaugurado, na semana finda, na cidade da Quibala, província do Kwanza-Sul, pelo governador, Serafim do Prado.

Várias acções têm sido desenvolvidas para que as pessoas conheçam o seu estado serológico
Fotografia: João Gomes

Um Centro de Aconselhamento e Testagem Voluntária de VIH/Sida foi inaugurado, na semana finda, na cidade da Quibala, província do Kwanza-Sul, pelo governador, Serafim do Prado.
Financiado pelo bloco 15 (Sonangol-Esso Exploration Angola e associadas), em 650 mil dólares, o empreendimento que contou com a iniciativa do Instituto Português de Medicina Preventiva, foi construído de raiz, possui uma sala de consulta, um laboratório, uma sala de aconselhamento, uma de dados e outra, de espera.
Ana Margarida, a representante da Esso/Angola, informou que, para além da sua futura missão de  aconselhamento e testagem voluntária de VIH/Sida, o centro facultará  informação e educação às populações, no sentido da prevenção contra a pandemia e outras doenças, sexualmente transmissíveis.
Ana Margarida ressaltou a necessidade de se a encorajar a construção de centros do género, estruturas que facultando informações à comunidade, podem facilitar a adesão aos testes. “A concessão de apoios, e a redução da transmissão da doença, destacam-se entre as vantagens da realização dos testes, principalmente em grávidas” frisou.
Por seu turno, o governador do Kwanza-Sul, Serafim do Prado, enalteceu o gesto das petrolíferas, referindo que o governo provincial aceitou a instalação desta unidade sanitária na Quibala, por ser um ponto de convergência do trânsito rodoviário para a região Norte, Centro, Sul, Leste e litoral do país. “Temos a possibilidade de evitar que mais angolanos morram por causa desta doença. Para isso, é necessário, que se respeitem as medidas preventivas, no combate energico contra  a pandemia,” concluiu.
A inauguração do centro, foi antecedida de uma marcha, onde participaram: o governador do Kwanza-Sul, representantes das petrolíferas patrocinadoras, elementos das Forças Armadas Angolanas, agentes da Polícia Nacional, autoridades tradicionais, religiosas e a população.

Tempo

Multimédia