Províncias

Reconstrução de várias infra-estruturas celera o desenvolvimento de Kissanga

Manuel Tomás/ Kissanga Kungo

A construção de infra-estruturas de impacto social está a ganhar corpo na comuna de Kissanga Kungo, município da Cela, província do Kwanza-Sul. O Governo investiu na reabilitação das vias de acesso da sede municipal (Waku Kungo) às diversas localidades, para facilitar a livre circulação da população com maior comodidade e segurança.

 Manuel Tomás/ Kissanga Kungo

A construção de infra-estruturas de impacto social está a ganhar corpo na comuna de Kissanga Kungo, município da Cela, província do Kwanza-Sul. O Governo investiu na reabilitação das vias de acesso da sede municipal (Waku Kungo) às diversas localidades, para facilitar a livre circulação da população com maior comodidade e segurança.
A comuna dista 16 quilómetros de Waku kungo e é considerada como uma das parcelas mais importantes do município da Cela. A administração da comuna de Kissanga Kungo beneficiou de um novo edifício onde vão funcionar os órgãos locais e de uma casa para a administradora.
Com os progressos registados, muitos agentes económicos que tinham abandonado Kissanga Kungo retomaram a sua actividade comercial, transportando produtos de primeira necessidade para abastecer a população, maioritariamente camponesa.
A fertilidade do solo faz com que a comunidade se empenhe em grande escala na produção de batata, hortícolas, citrinos e outros produtos do campo, mas depara-se com enormes dificuldades para o escoamento dos produtos.
As vastas zonas de pasto permitem a criação de gado caprino, suíno, aves e, especialmente, bovino utilizado para puxar charruas na lavoura.
A reparação das picadas está a permitir o escoamento dos principais produtos do campo para a sede municipal. A comuna foi contemplada com autocarros que fazem a rota da comuna até à cidade do Waku Kungo, onde cada passageiro desembolsa a quantia simbólica de 50 kwanzas.

Crianças sem escolas

O sector da Educação, apesar de ter conhecido melhorias significativas, debate-se com falta de professores, porque os 324 em efectivo serviço são insuficientes para a dimensão da comuna.
Há necessidade de mais 40 docentes. Encontram-se em funcionamento cinco escolas de construção definitiva e outras 23 provisórias que, no total, albergam 11.390 alunos.
Fora do sistema de ensino estão no corrente ano lectivo 2.900 alunos. Em algumas aldeias há falta de salas de aulas. Para colmatar esta lacuna, muitas crianças recebem aulas em capelas ou casas improvisadas pelos pais.
No território da comuna estão localizados importantes estabelecimentos escolares, como o Instituto Médio Agrário de Waku kungo (IMA), construído em 2007, no quadro do programa de reconstrução nacional, com capacidade para 1.050 alunos.
Completa o número de instituições de educação, a Escola de Formação de Professores, que ocupa uma área de seis mil metros quadrados ecustou aos cofres do Estado cerca de 34 milhões Kwanzas.

Cobertura sanitária

O sector sanitário melhorou substancialmente com a construção de mais postos de saúde que estão a permitir um atendimento aceitável aos pacientes. Em Kissanga Kungo está localizado o principal hospital do município da Cela, com 150 camas, cinco médicos e 102 de enfermeiros de várias especialidades, que são suficientes para prestar assistência aos doentes. O hospital recebeu um aparelho de Raios-X.

Água e electricidade

A administradora comunal, Augusta Nana, congratulou-se com a nova instalação da energia eléctrica pública e domiciliária que possibilita aos professores ministrar aulas à noite.  Augusta Nana informou que a maior dificuldade que a comuna enfrenta prende-se com o deficiente abastecimento de água potável visto que as torneiras há muito que secaram.  Os habitantes da comuna utilizam a água das cacimbas, muitas vezes imprópria para o consumo humano. A administradora garantiu que estão a ser feitos esforços para se ultrapassar esta situação.
Por se tratar de uma comuna onde se pratica a agricultura de subsistência e a pecuária, Augusta Nana salientou que nos encontros que normalmente mantém com as autoridades tradicionais e camponeses tem apelado para que apostem nestas áreas para o combate à fome e à pobreza.
A população de Kissanga Kungo, estimada em mais de seis mil habitantes distribuídos por 15 sobados e 103 aldeias, dedica-se, principalmente, à agricultura de subsistência e à pecuária para o combate à fome e à pobreza.

Tempo

Multimédia