Províncias

Rede hoteleira na Quibala é insuficiente

Casimiro José | Quibala

O administrador municipal da Quibala, província do Kwanza-Sul, Manuel Fernando, apelou aos empresários nacionais e estrangeiros a investirem na rede hoteleira local, com vista ao desenvolvimento económico e social da região.

Administrador Manuel Fernando
Fotografia: Casimiro José | Quibala

O administrador municipal da Quibala, província do Kwanza-Sul, Manuel Fernando, apelou aos empresários nacionais e estrangeiros a investirem na rede hoteleira local, com vista ao desenvolvimento económico e social da região.
Manuel Fernando disse na quarta-feira, ao Jornal de Angola, que o município possui potencialidades para vários investimentos, especificamente na indústria hoteleira e agro-pecuária.
O administrador municipal considerou que a localização geográfica da Quibala justifica a reabilitação da rede hoteleira, para dar resposta à procura comercial.
“O município da Quibala apresenta indicadores de desenvolvimento, mas temos de pensar nos serviços de hotelaria, que possam garantir a hospedagem e atendimento mais personalizado dos potenciais investidores”, enfatizou.
Manuel Fernando fez saber que o município da Quibala conta, actualmente, com apenas duas pensões. Por isso, apela à classe empresarial nacional e estrangeira a investir no ramo hoteleiro da região, visto que a administração local está receptiva a iniciativas.

Dinamização do sector agro-pecuário da região

Existem no município 304 fazendas, mas muito poucas estão a ser exploradas, o que limita a oferta de bens e serviços e emprego.
Perante esta situação, a Administração Municipal está a fazer uma avaliação do estado das fazendas, para relançar a actividade agro-pecuária na região.
“Sabemos que as razões apontadas [para o desaproveitamento] prendem-se com a falta de recursos financeiros e temos de trabalhar para que se encontrem mecanismos que facilitem a reactivação das fazendas”, frisou.
O administrador municipal da Quibala, Manuel Fernando, defende que o desenvolvimento local passa pela organização do sector agrícola, pois constitui a principal actividade económica.
Por isso, solicitou aos proprietários das fazendas a encararem a reactivação do sector agro-pecuário como força motriz do desenvolvimento do município.
A deterioração das vias terciárias foi apontada como uma das principais dificuldades que a Administração Municipal enfrenta, pois entrava a circulação rodoviária do campo para a cidade e vice-versa.
O administrador municipal defende igualmente a aposta no sector empresarial privado, para o desenvolvimento da Quibala.
Nessa conformidade, apontou o exemplo das fazendas “Cambondo”, “Terra do Futuro”, “Mena”, Agro-Líder”, “Rosa Linda”, entre outras, que proporcionam 582 postos de trabalho.
Manuel Fernando lembrou que o município da Quibala possui terras férteis, onde os agricultores cultivam vários produtos, como milho, feijão, ginguba, mandioca e banana. O administrador da Quibala é de opinião que o crédito de campanha agrícola, aprovado pelo Governo, visa auxiliar os produtores.
Manuel Fernando afirmou que, dos 32 processos remetidos à agência do Banco Sol, dez já foram financiados, perfazendo um total de 28 milhões, 747 mil e 839 kwanzas. O município da Quibala tem uma superfície de 10.280 quilómetros quadrados.
Possui 135.415 habitantes, distribuídos pelas comunas de Cariango, Lonhe, Ndala-Kachibo e os postos administrativos de Katofe e Muquitixe.

Tempo

Multimédia