Províncias

Reforçados programas de inclusão social

Casimiro José| Sumbe

As pessoas portadoras de deficiência  vão  merecer uma atenção especial das autoridades provinciais do Cuanza Sul em 2016, no quadro das suas políticas de melhoria da situação económica e social desta camada da população, garantiu ontem, na cidade do Sumbe, o vice-governador provincial para o  Sector Económico.

Pessoas com deficiência têm sido inseridas em vários projectos de reintegração social
Fotografia: Nuno Flash

Franklin Fortunato e Silva referiu que o Governo Provincial do Cuanza Sul pretende com este programa a efectivação da política inclusiva do Estado angolano e da harmonização da sociedade.
“Ainda existem algumas dificuldades entre os portadores de deficiências, principalmente nas vertentes sociais e económicas, com destaque para o acesso ao mercado de trabalho”, disse Franklin Fortunato e Silva, que referiu haver, paulatinamente, uma abertura por parte da sociedade em relação à questão da inclusão dos deficientes, um cenário que realça ter a ver com a divulgação das convenções e leis que protegem os direitos das pessoas com deficiência.
Entre os ganhos alcançados, nos últimos tempos, no seio das pessoas deficientes, Franklin Fortunato e Silva apontou a abertura ao trabalho, formação académica e técnico-profissional, mas sublinhou a necessidade de se alargar mais a oferta. O vice-governador para o Sector Económico considerou que o sector da Educação deve desempenhar um papel fundamental para o processo de inclusão social das pessoas com deficiência e apelou às organizações da sociedade civil, como igrejas e associações cívicas, para se juntarem aos esforços tendentes a devolver a auto-estima das pessoas com deficiência.

Lei de protecção

O secretário provincial da Associação Nacional dos Deficientes Angolanos (ANDA), Araújo Júlio, defendeu a necessidade de uma maior divulgação da lei que protege os direitos das pessoas com deficiência, no sentido de despertar a sociedade sobre os cuidados a ter com os mesmos.
Araújo Júlio salientou que a discriminação cria obstáculos para o acesso às oportunidades por parte das pessoas com deficiências.
“A sociedade ainda pratica actos discriminatórios contra as pessoas com deficiências, criando obstáculos às oportunidades de formação académica, profissional e também ao emprego”, disse o secretário provincial da ANDA, que afirmou lamentar  o facto de vários programas e projectos traçados à favor dos deficientes não atingiram os resultados esperados, devido à falta de monitoria rigorosa por parte das autoridades competentes.
Araújo Júlio defendeu  a construção de mais escolas especiais nos municípios, para que o acesso ao ensino  seja abrangente e inclusivo, além de pedir que os organismos de direito advoguem a aplicação das leis que protegem as pessoas com deficiência.

Criação de rendimentos 

O director provincial da Assistência e Reinserção Social, Manuel Macedo, anunciou que a instituição que dirige vai continuar a trabalhar para potenciar as pessoas com deficiência de competências económicas, através de projectos de criação de rendimentos.
Entre as acções concretas a ser desenvolvidas, Paulo Macedo apontou os projectos de artes e ofícios e do ramo agrícola em todos os municípios da província.
O responsável da Assistência Social apontou ainda, para os próximos tempos, a continuidade do processo de reabilitação física com recurso aos centros de referência do Huambo e de Luanda.
A província do Cuanza Sul regista  9.429 pessoas com deficiência, das quais 4.298 são do sexo feminino e 5.131 do sexo masculino.

Tempo

Multimédia