Províncias

Resolver a falta de água é prioritário

Manuel Albano | Porto Amboim

A falta de água potável e a problemática da seca em algumas aldeias do município do Porto Amboim está entre as principais preocupações do Governo Provincial do Kwanza-Sul, garantiu no sábado a administradora municipal adjunta da circunscrição.

Administração está preocupada com a seca
Fotografia: Fernando Camilo

Eddnes Lourdes Huassuca, que falava durante um encontro com a juventude no âmbito das comemorações dos 427 anos de existência do município, adiantou que “os solos estão secos e não existem pontos de água para ajudar a minimizar os problemas das aldeias. Precisamos de água canalizada para ser transportada até às aldeias, por ser uma situação que preocupa os habitantes do Porto Amboim”.
As autoridades provinciais estão a desenvolver uma série de acções destinadas a criar condições sociais para o desenvolvimento do município e para que a população possa incrementar as suas actividades para o crescimento do Porto Amboim, garantiu.
Nesse sentido, é importante melhorar as condições básicas das populações, o que, de acordo com Eddnes Lourdes, está a ser feito, através da construção no município de novas infra-estruturas sociais e económicas.Além disso, também estão a ser reabilitadas escolas, centros de saúde e estradas. As obras em curso têm criado oportunidades de emprego directo para os jovens da localidade.

Movimento promove palestra


“Visão estratégica do Presidente da República, para a manutenção da Paz” foi o tema de uma palestra proferida no sábado, no Instituto Superior Politécnico do Porto Amboim, pelo presidente da Mesa da Assembleia-Geral do Movimento Nacional Espontâneo, Carlos Cavukila. Durante a palestra, o orador deu alguns esclarecimentos aos jovens, principalmente, sobre os principais pontos do discurso do Presidente da Republica na abertura do ano legislativo e sobre a sua importância, ao mesmo tempo que considerou que ele deve servir de “instrumento de orientação política e governação”.
O discurso, disse, deve ser ouvido, compreendido e estudada, de modo a pô-lo em prática todos os dias, e para se entender o alcance político das palavras do Chefe de Estado e do Executivo. “Queremos contribuir para que haja opiniões que futuramente possam contribuir de forma consciente e democrática para o desenvolvimento do país e, dessa forma, não se ser facilmente manipulado com opiniões maliciosas.”
O também docente da Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto explicou que o objectivo é transmitir uma mensagem correcta daquilo que foi o discurso do Presidente da República às populações do Porto Amboim, “Vamos passar a divulgar os principais instrumentos de governação e jurídicos do país, para que as comunidades passam a conhecer os seus direitos e saberem quais os principais projectos do Executivo focados nas comunidades”, asseverou.

Tempo

Multimédia