Províncias

Secção feminina foi inaugurada na unidade prisional do Sumbe

Casimiro José | Sumbe

A secção de reeducação feminina da unidade prisional do Sumbe, província do Kwanza-Sul, foi inaugurada terça-feira, no âmbito de um programa comemorativo do 33º aniversário do Ministério do Interior, que se assinala amanhã.

A secção de reeducação feminina da unidade prisional do Sumbe, província do Kwanza-Sul, foi inaugurada terça-feira, no âmbito de um programa comemorativo do 33º aniversário do Ministério do Interior, que se assinala amanhã.
Com capacidade para 25 reclusas, a secção foi reabilitada num período de seis meses e comporta uma cela, um quarto de banho, áreas de arrecadação de haveres das reclusas e de lazer e uma cozinha.
As dependências estão equipadas com meios que conferem maior dignidade às reclusas.
O delegado provincial do Ministério do Interior e comandante da Polícia no Kwanza-Sul, que presidiu à cerimónia de inauguração, afirmou que as autoridades estão determinadas a trabalhar em prol da humanização dos serviços prisionais e a garantir a protecção das mulheres, independentemente da condição de reclusas.
Vladmiro Verdades apelou à direcção dos Serviços Prisionais para que continue a primar pela formação académica e profissional e pela ressocialização dos reclusos, para que, após o cumprimento das penas, possam ser úteis à sociedade.
A juíza do Tribunal Provincial do Kwanza-Sul, Mércia dos Santos, manifestou-se satisfeita com as condições criadas e sublinhou que, apesar de detidas, as mulheres privadas de liberdade devem merecer um tratamento mais digno.
“Assistimos a um acto que merece louvor e encorajamento, por parte da sociedade”, acentuou a magistrada judicial.
Maria Candeeiro, que cumpre uma pena de 23 anos, afirmou-se satisfeita com as condições criadas na secção feminina prisional. Em sua opinião, a direcção da unidade prisional mostrou, com a reabilitação da secção feminina, que está solidária com a causa das mulheres.
A unidade prisional do Sumbe alberga uma população de 1040 reclusos, entre detidos e condenados, dos quais nove mulheres.
O cerimónia de inauguração da secção feminina da cadeia do Sumbe foi testemunhada por membros do Conselho Consultivo do Ministério do Interior, magistrados do tribunal provincial, efectivos da Polícia de Investigação Criminal e representantes do Ministério da Família e Promoção da Mulher e do Instituto Nacional da Criança.

Tempo

Multimédia