Províncias

Serviços da Justiça com nova loja de registo

Manuel Tomás| Sumbe

A delegação provincial de Justiça do Kwanza-Sul vai abrir dentro de dias uma nova loja de registo no Sumbe, para garantir maior celeridade na emissão dos Bilhetes de Identidade e outros documentos.

Sobrecarga nos serviços de emissão de bilhetes e de cédulas tem os dias contados
Fotografia: Víctor Pedro| Sumbe

Com este segundo empreendimento, as autoridades pretendem desanuviar a única loja até aqui existente e, desse modo, poupar filas aos utentes.
A delegada provincial da Justiça e dos Direitos Humanos, Tatiana Ribeiro, salientou que outros novos postos de registo e identificação civil vão abrir nos municípios da Quibala e Seles, para evitar que os habitantes destas localidades se desloquem à sede da província.
Todas as lojas de registo vão ser informatizadas e modernizadas, com vista a evitar que a emissão das cédulas seja manual ou que os registos se efectuem em livros. O grande problema, na perspectiva da delegada, são os constantes cortes no fornecimento de energia eléctrica. Neste momento, a instituição dispõe, de um novo gerador, com capacidade de 250 KVA, para abastecer a principal loja de registo e o novo edifício do tribunal.
“Os municípios do Seles e da Quibala são uma preocupação do Ministério, uma vez que a energia ainda é um problema”, disse Tatiana Ribeiro, que explicou que os serviços não podem ser interrompidos, porque o bilhete não é emitido em todos os municípios por problemas técnicos. Devido ao crescimento demográfico e aos grandes empreendimentos socioeconómicos do município de Porto Amboim, os trabalhos de registo e identificação da população aumentaram, sobrecarregando o município do Sumbe.

Ampliação da administração

Além disso, a infra-estrutura cedida pela Administração do Município do Amboim, na Gabela, vai ser ampliada para aliviar o trabalho das localidades vizinhas, onde ainda não se processa a emissão do bilhete de identidade, como na Quilenda, Ebo e Conda. Tatiana Ribeiro reconheceu que ainda existe uma certa falta de quadros com o perfil técnico exigido para o exercício da actividade no sector. Para resolver esta situação, vão ser admitidos novos funcionários com reconhecida qualificação, uma vez que parte dos actuais vão ser brevemente abrangidos pela reforma.
“Temos de recrutar mais pessoal para ser distribuído pelos demais municípios, já que estes vão ter de dominar as novas tecnologias da área de emissão do bilhete de identidade”, concluiu.

Tempo

Multimédia