Províncias

Sugeridos centros especiais contra a droga

Carlos Bastos | Sumbe

Os participantes no primeiro fórum provincial de combate ao alcoolismo, tabagismo e outras drogas, realizado na sexta-feira, no Sumbe, recomendaram que se criem na província estabelecimentos hospitalares com serviços especializados de apoio e tratamento psicológico às vítimas das drogas.

Jovens da província do Cuanza Sul foram aconselhados a evitar o consumo de álcool e de drogas prejudiciais à saúde
Fotografia: Casimiro José

Para os presentes no encontro, é necessário elaborar e aplicar urgentemente instrumentos de sanção no país, no sentido de desencorajar a produção, comercialização e consumo de drogas.
A adopção de medidas concretas permite evitar a proliferação e o consumo da nova droga denominado “Tembú” e deve envolver as administrações municipais, autoridades tradicionais, religiosas e associações juvenis.
De igual modo, os órgãos afins devem proceder a uma profunda reflexão sobre os efeitos perniciosos da publicidade, propaganda e marketing que incentivam o consumo de álcool e outras drogas.
Outro aspecto abordado prende-se com a necessidade de haver um sério investimento na formação técnica e profissional de especialistas na área da psicologia clínica, para o tratamento, apoio e orientação das vítimas das drogas e que se desenvolvam e estruturem medidas concretas que contribuam para a transformação dos jovens, como os principais alvos da prevenção em termos de consumo de drogas, através de diferentes organizações filiadas no Conselho Provincial da Juventude (CNJ). A luta contra o consumo de drogas não é apenas uma tarefa do Governo, salientaram, mas também da sociedade civil, que deve empenhar-se na realização de campanhas de sensibilização, porta a porta, e desenvolver outras iniciativas deste tipo.
A criação de associações, ONG nacionais e a participação das igrejas, no sentido de exercerem um papel de mediação entre os consumidores de drogas e as instituições, a exemplo do que acontece com a rede de luta contra a sida, também foi recomendada no encontro do Sumbe.
No tocante ao consumo de bebidas alcoólicas e tabagismo, os participantes consideraram indispensável promover atitudes responsáveis por parte dos pais perante os filhos.
A vice-governadora para o Sector Político e Social, Maria de Lourdes Viegas, que discurou na abertura do fórum promovido pela Associação Nacional de Luta contra as drogas (ANLD), disse que o uso de drogas ilícitas tem provocado vários conflitos e desintegração familiar.
 Maria de Lourdes Viegas alertou os jovens para a necessidade de evitarem consumir drogas, por serem prejudiciais à saúde e alterarem o normal comportamento social. A vice-governadora salientou que a família é uma estrutura basilar nas tarefas de combate ao consumo de drogas ilícitas, sublinhando que muitos jovens que enveredam por esta prática vivem com os seus pais ou outros encarregados de educação. A governante argumentou que o consumo de drogas ilícitas no país, sobretudo entre os jovens, é elevado, razão pela qual pediu às família para serem as primeiras a desaconselhar o uso desses produtos. Maria de Lourdes Viegas sublinhou que o consumo de drogas ilícitas provoca também modificações no sistema nervoso, produzindo enfermidades de foro psíquico, entre outros danos para a saúde humana.
A vice-governadora recordou que o Executivo está empenhado em combater este mal que afecta várias camadas da sociedade, através de um conjunto de acções voltadas para a informação, formação e educação preventiva, assim como na promoção de atitudes seguras e protegidas, para salvaguardar a saúde das famílias, com particular realce para os jovens, por serem a força impulsionadora da sociedade.
A cada minuto que passa a humanidade vive o horror silencioso da verdadeira guerra gerada pelo comércio ilegal de drogas,  o que gera violência, instabilidade social e ilegalidade, alertou a vice-governadora. O programa das Nações Unidas para o Controlo Internacional de Drogas revela que mais de 50 por cento dos crimes violentos e mortes que ocorrem no mundo são causados pelas drogas. "O trafico e o abuso dessas substancias causa danos e fragiliza a base social, política e económica de muitos países".

Tempo

Multimédia