Províncias

Sumbe acolhe encontro de troca de experiências

Victor Pedro | Sumbe

Professores do Instituto Superior de Ciências de Educação (ISCED), estudantes graduados, pós-graduados e professores brasileiros estão desde segunda-feira a partilhar conhecimentos no Sumbe, província do Cuanza-Sul, sobre a Língua Portuguesa,  Literatura, Pedagogia e Ciências Biológicas, no âmbito da realização do III seminário de formação Angola/Brasil.

Fotografia: EDIÇÕES NOVEMBRO

O encontro decorre até amanhã, no auditório do ISCED do Cuanza-Sul e tem como objectivo capacitar professores das referidas áreas de conhecimento, trocar experiências com especialistas de outros países e ampliar o campo de actuação a partir da investigação científica conjunta e contínua.
O reitor da Universidade Katyavala Bwila, Albano Ferreira, defendeu na abertura do seminário a necessidade de os professores continuarem a apostar na sua formação, para garantir a melhoria do processo de ensino a nível do país. Albano Ferreira enalteceu a existência da parceria e a interacção entre as instituições de ensino superior, que considera uma mais-valia para ambas as partes, o que tem permitido dar resposta aos actuais desafios na universidade e melhorar os serviços que presta à sociedade, relativamente à capacitação e qualificação dos docentes.
Referiu ainda que hoje a busca pela qualificação profissional está cada vez mais presente na vida dos professores, que, como todos os profissionais, necessitam de estar em constante actualização, uma vez que a sociedade está em permanente transformação, com o avanço das tecnologias e desenvolvimento humano.
“Não é só o aluno que precisa do professor para aprender, o professor também precisa de outros formadores e mais conhecimentos para fazer a diferença na execução das suas obrigações e estar à altura dos desafios que o sector do ensino, da ciência, da inovação e desenvolvimento, bem como da sociedade lhe impõem”, referiu o reitor Albano Ferreira.
O reitor augurou acesos debates durante os quatros dias de discussão e que surjam resultados satisfatórios para ambos os países, para que no futuro a parceria se alargue para outras áreas e contribuir no desenvolvimento da investigação cientifica e no processo de ensino do país.
Marinalva Barbosa, representante dos professores brasileiros, saudou o desenvolvimento da parceria com  Angola, considerando o en-contro um momento ímpar que os professores dos dois países têm para aprofundar conhecimentos em áreas como Língua Portuguesa, Literatura, Pedagogia e Ciências Biológicas.
A representante dos professores brasileiros explicou que o seu país tem vindo a apostar numa política de incentivo do conhecimento científico, no contexto académico, que visa elevar a sua internacionalização, em conjunto com as melhores universidades a nível de outros países, a exemplo de Angola, França e Honduras.
Um dos objectivos, acrescentou, é o avanço e a descentralização da produção de conhecimentos e das relações de produção de conhecimentos no contexto internacional. “Angola pode formar um dos melhores linguistas do mundo, tendo em conta o campo de pesquisa que é muito rico e propício para o desenvolvimento do estudo e aprofundamento da língua”, sublinhou Marinalva Barbosa, acrescentando que “é a olhar para estas vias que partiu o interesse em apostar na parceria de investigação Angola-Brasil”.
No primeiro dia de encontro os participantes ao terceiro seminário de formação de professores Angola-Brasil discutiram temas como a partilha, como pressuposto para a leitura literária, leitura e escrita no ensino superior, elaboração de projectos de pesquisa, abordagem etnográfica em educação, ensino da Língua Portuguesa na educação básica em contexto multilingue, análise do discurso crítico e leitura de textos de jornais.
Hoje e amanhã são discutidos assuntos como o ensino da leitura do texto literário na educação básica, representações sobre o professor e a educação em textos jornalísticos e as práticas de leituras interdisciplinares em literatura.
Participam também no seminário professores do ensino geral, estudantes, funcionários públicos e administrativos.

Tempo

Multimédia