Províncias

Sumbe ganha estação de tratamento de águas

Victor Pedro

Empresas responsáveis pela execução do projecto de saneamento, construção de uma estação de tratamento de águas residuais (ETAR), bem como expansão do sistema de abastecimento de água potável à cidade do Sumbe, na província do Cuanza-Sul, estão a recolher contribuições, para a conclusão da obra, que teve início em 2014.

Sistema de abastecimento de água potável é reforçado
Fotografia: Edmundo Eucílio | edições novembro

A representante da Direcção Nacional de Águas (DNA), Odeth Grilo, considerou o encontro de oportuno, porque vai permitir enriquecer o projecto, através das contribuições dos munícipes, uma das exigências do financiador, o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD).
A representante da Direcção Nacional de Águas fez saber que o projecto tem impacto nacional, visto que vai ser implementado em sete províncias do país, sob responsabilidade do Ministério da Energia e Águas, e cofinanciado pelo BAD.
Esclareceu que na primeira fase o projecto procurou identificar os problemas que afectavam o sector e em seguida passou a intervir na melhoria da captação, com expansão da estação de tratamento de água, bem como na revisão e ampliação das condutas, o que, em médio prazo, permitiu aumentar a capacidade dos reservatórios e estender a rede em zonas que no passado não beneficiavam de água.
A responsável avançou que para a segunda fase, além de encontros de consulta pública com os munícipes, está também prevista a construção de uma ETAR e a expansão do sistema ou rede de distribuição e abastecimento de água existente na cidade do Sumbe.
 Acrescentou que o mesmo projecto prevê ainda contemplar a implementação de um laboratório regional de análises e controlo da qualidade de água, um trabalho que vai acontecer em áreas consideradas prioritárias e mais carenciadas, como as zonas 1, 2, 5 e 6.
Odeth Grilo disse que o projecto vai reforçar a estação de água tratada do reservatório do bairro do Chingo, com uma extensão proposta de cerca de 64 quilómetros,  para permitir elevar o nível de abastecimento para 53.200 pessoas, até aos próximos 20 anos, bem como instalar 3.330 ramais domiciliários.
O projecto, que contempla a construção do sistema de drenagem de águas residuais, decorre sem sobressaltos e vai cumprir com todas as suas etapas, com o envolvimento da população.

Tempo

Multimédia