Províncias

Vários municípios sem energia eléctrica

Casimiro José | Sumbe

Uma avaria não determinada na linha de alta tensão do troço Cambambe a Gabela está a privar, desde segunda-feira, de fornecimento de corrente eléctrica as cidades da Gabela, Sumbe e Porto Amboim.

Parte do grupo gerador que se encontra avariado há mais de um mês
Fotografia: Casimiro José

Uma avaria não determinada na linha de alta tensão do troço Cambambe a Gabela está a privar, desde segunda-feira, de fornecimento de corrente eléctrica as cidades da Gabela, Sumbe e Porto Amboim.
De acordo com o director provincial do Kwanza-Sul, da Empresa Nacional de Electricidade (ENE), Rosário de Almeida, equipas técnicas locais e centrais já estão no terreno para averiguarem o tipo de avaria que está a criar sérios problemas aos vários sectores da vida socio-económica da província.
Rosário de Almeida referiu que, pelo facto de ainda não estar determinado o local e o tipo de avaria, é prematuro dizer quanto tempo pode demorar a normalização da situação.
Pediu, no entanto, aos consumidores que se mantenham calmos e adiantou que para tornar célere a operação foram mobilizados meios aéreos e terrestres, com o apoio das Forças Armadas Angolanas (FAA).
O director provincial da ENE assegurou que, actualmente, está em funcionamento um grupo de geradores para garantir o fornecimento de energia às redes domiciliárias e públicas.
Sobre a realização do torneio internacional de futebol de onze, enquadrado na inauguração do estádio municipal Hoji ya Henda do Sumbe e do festival internacional de música do Sumbe, FestiSumbe, garantiu que a empresa está preparada para, no caso da avaria persistir, fornecer regularmente energia aos locais dos eventos.
“Apesar dos esforços das equipas técnicas no terreno, já providenciámos as condições para fornecer a corrente eléctrica aos locais de realização dos eventos que a cidade do Sumbe vai albergar”, disse.
Anunciou que a ENE está a trabalhar no sentido de pôr cobro às ligações anárquicas na urbe e periferia, uma acção que está a envolver os fiscais da administração municipal do Sumbe.
Em relação às obras da subestação do Sumbe, Rosário de Almeida afirmou que elas estão paralisadas pelo facto de alguns materiais e equipamentos estarem retidos nos portos de Luanda e Lobito, por razões alfandegárias. Prometeu que os trabalhos serão retomados, quando forem resolvidos todos os entraves.
A Empresa Nacional de Electricidade (ENE) do Kwanza-Sul tem 5.104 clientes e uma facturação de 21 milhões de kwanzas por mês.

Tempo

Multimédia