Províncias

Vendedores satisfeitos com as instalações

Luís Pedro |Sumbe

Os habitantes da cidade do Sumbe, capital da província do Kwanza-Sul, contam, desde o último fim-de-semana, com novo mercado municipal com capacidade para 800 vendedores, no quadro do Programa de Reestruturação do Sistema de Logística e de Distribuição de Produtos Essenciais à População (PRESILD).

Ângulo do mercado municipal do Sumbe inaugurado no dia 10 de Dezembro e que apresenta melhores condições de venda
Fotografia: Luís Pedro

Os habitantes da cidade do Sumbe, capital da província do Kwanza-Sul, contam, desde o último fim-de-semana, com novo mercado municipal com capacidade para 800 vendedores, no quadro do Programa de Reestruturação do Sistema de Logística e de Distribuição de Produtos Essenciais à População (PRESILD).
O novo mercado, construído de raiz durante dois anos, para além das bancadas, tem lojas, armazéns, câmaras frigoríficas para conservação e congelação de perecíveis e hortícolas, creche, alfaiataria, sapataria, restaurantes, posto de socorro, padaria e pastelaria.
 As transacções financeiras ficaram facilitadas, com a implantação de um balcão do Banco Sol e outro do Banco de Poupança e Crédito (BPC).
 O director provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo, Luís Neto, afirmou que o processo de transferência do pessoal da antiga praça para o novo mercado ocorreu na base das orientações do Governo Provincial e quanto aos outros serviços obedeceram a concurso público promovido pelo Programa de Reestruturação do Sistema de Logística e de Distribuição de Produtos Essenciais à População.
 Sobre a situação dos vendedores que não tiveram lugar no novo mercado, Luís Neto anunciou que o Governo Provincial está a criar condições para acomodá-los dentro de um programa em curso.
A entrada em funcionamento do novo mercado municipal trouxe inúmeros benefícios aos comerciantes e clientes, destacando-se as excelentes condições no edifício e dos equipamentos. As vendedoras aplaudem a criação da creche no mercado, porque assim podem trabalhar à vontade porque sabem que os filhos estão bem cuidados.
 Rosalina António disse ao nosso jornal que, no passado, era uma dor de cabeça arranjar um sítio onde deixar as crianças. Muitas vendedoras andavam com elas às costas, enquanto trabalhavam para não ficarem desprotegidas ou serem maltratadas.
“Hoje já podemos trazer os nossos filhos para a creche e vendemos tranquilamente, sem pensar mais no filho pequeno que ficou em casa”, disse.
 Rosalina António vendia legumes na antiga praça da feira, há mais de 15 anos. Foi contemplada com um lugar no novo mercado. Agora é a dona da bancada número 200. Está feliz com as condições que encontrou no mercado e lançou um apelo a todos os utentes para colaborarem com as autoridades na sua conservação.
 No acto de inauguração, o governador provincial, Serafim do Prado, afirmou que o grande objectivo é criar condições condignas para a população: “por isso construímos o mercado para dar maior dignidade aos vendedores e qualidade aos clientes”.
 Serafim do Prado anunciou que está prevista a inauguração e a construção de novos mercados nos município de Porto Amboim, Amboim (Gabela) e Cela (Wako Kungo) enquadrados no programa do Executivo que visa a melhoria de vida das populações.

 

Tempo

Multimédia