Províncias

Vítimas contam com apoio de agentes sociais do Sumbe

Engrácia Camilo | Sumbe

Os conflitos resultantes de actos de violência doméstica a nível das famílias do Sumbe, vão merecer doravante respostas mais eficazes das autoridades locais, principalmente nos aspectos relacionados com o aconselhamento das vítimas e seus agressores.

Para tal, um grupo de 50 juristas, actores, encenadores e activistas sociais terminaram na sexta-feira uma formação sobre “Técnicas para conselheiros familiares”, com o objectivo de dotar os referidos participantes de mecanismos que ajudem a criar um ambiente envolvente no atendimento de casos de violência doméstica.
Promovido pela direcção provincial da Família e Promoção da Mulher (MINFAMU), o seminário consistiu ainda em reforçar a capacidade e avaliar o grau de atendimento nos centros de aconselhamento jurídico às vítimas de violência doméstica, com envolvimento dos  actores sociais.
Durante a formação, os participantes discutiram questões que têm a ver com a ética e deontologia profissional no aconselhamento familiar, a apresentação do regulamento da lei nº 25/11 sobre o sistema integrado de indicadores de género, assim como as técnicas e habilidades jurídicas na orientação das vítimas. Abordaram ainda temas como a ficha padronizada para o encaminhamento da vítima, ponto de situação dos casos de violência a nível dos centros de aconselhamento familiar e as técnicas e métodos de resolução de conflitos familiares.
A directora provincial do MINFAMU, Maria Teresa Cardoso, disse esperar que a acção formativa produza os efeitos desejados, para que o trabalho de aconselhamento registe as melhorias que os utentes dos centros sempre esperam.
Do seu ponto de vista, a realização do seminário é uma prova do interesse que o Governo tem, para contrariar a incidência da violência nas famílias, assim como na resolução de conflitos domésticos e outros casos que atentam contra a convivência e coesão social a nível da província.Realçou que para a resolução dos conflitos é necessário que as famílias enveredem por um conjunto de técnicas e procedimentos, no sentido de se alcançar os objectivos que se pretende para uma sociedade sã. “Devemsos primar pela ética e deontologia profissionais em matéria de aconselhamento familiar”, rematou.

Tempo

Multimédia