Províncias

Wako e Seles aposta no fomento da agropecuária

Casimiro José | Wako-Seles

O administrador municipal do Seles considera que o progresso da região passa pelo fomento da agricultura e da pecuária, tendo em conta as potencialidades da região que permitem desenvolver culturas de alto rendimento, como cereais, tubérculos e café.

Vista parcial da sede do município onde estão em execução diversas acções sociais para melhorar a qualidade de vida dos munícipes
Fotografia: Casimiro José | Wako Selles

João Daniel Nunes assinalou que o município do Seles foi durante a vigência do sistema colonial um dos maiores produtores de café, fruto do seu clima e do seu solo, estando as autoridades empenhadas em recuperar os índices de produção, para aumentar os rendimentos e melhorar a vida dos cafeicultores.
O administrador do Seles manifestou-se optimista quanto à adesão dos cafeicultores, tendo em conta os actuais preços de compra no mercado. “Já traçamos a estratégia para o relançamento da produção do café e creio que vamos ter bons resultados”.
Sobre o estado social e económico dos habitantes do município, João Nunes fez uma avaliação positiva, pelos resultados que têm sido alcançados com a execução do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e de Combate à Pobreza.
O administrador ressaltou que as acções, no âmbito dos referidos programas, têm permitido a extensão das redes escolares e sanitárias, bem como o abastecimento de água potável em quase todas as circunscrições do município, respondendo às necessidades das populações.
Dos êxitos alcançados, João Daniel Nunes considerou que os sectores da Saúde e da Educação são os que mais cresceram, em termos de infra-estruturas e de pessoal.
“Reconhecemos que ainda temos muito trabalho pela frente, mas orgulhamo-nos de terem sido construídas muitas escolas e termos estendido a rede sanitária às zonas rurais, onde no passado as populações tinham de percorrer longas distâncias para ter acesso aos cuidados primários”, reconheceu João Daniel Nunes. O administrador do Seles disse que o plano de acções concebidas para o ano de 2013 incidiu sobre o fomento agropecuário, construção de infra-estruturas de impacto social, como postos de saúde e escolas, entre outras.

Projectos sociais


João Daniel Nunes mostrou-se satisfeito com os êxitos alcançados durante o ano em curso e garantiu que das 11 acções que tinham sido programadas para o ano de 2013 oito já foram concluídas.
Das acções concluídas, o administrador destacou as obras de reabilitação e ampliação da escola primária, com quatro salas, construção e recuperação de postos de saúde e casas para enfermeiros, nas localidades de Bango, Chipendele, Moma do Banze, Chiupa e na sede comunal de Amboiva.
Também foram concluídas as obras da primeira fase do mercado municipal, com 150 bancadas, um centro de análises clínicas do Hospital Municipal do Seles e um ponteco sobre o rio Utangaio.
Acrescentou que os projectos em curso e em fase conclusiva compreendem a abertura de dois furos para o abastecimento de água às comunidades de Cacheper e Caquendela, obras do posto policial e do clube desportivo, ambos na comuna de Amboiva.
No domínio habitacional, João Nunes considerou que as autoridades e os habitantes do município esperam melhorias, pelo facto de a construção de 200 fogos estar a decorrer em ritmo aceitável, tendo a administração recebido do empreiteiro 60 casas já concluídas.
A reabilitação da estrada que liga a sede municipal do Seles a Cassongue foi apontada pelo administrador do Seles como um ganho que vai facilitar as trocas comerciais com as províncias do Planalto Central.
Apesar desta obra de recuperação, João Nunes mostrou-se preocupado com o actual estado de degradação das vias secundárias e terciárias, que dificulta o apoio da administração local às comunidades longínquas e o escoamento dos produtos agrícolas para os principais mercados e vice-versa.

Desafios para o próximo ano


O administrador do Seles anunciou que para o próximo ano vão ser priorizados projectos ligados à construção de sistemas de abastecimento de água potável à sede municipal e de distribuição de energia eléctrica na rede pública e domiciliar, bem como relançamento do sector de Hotelaria e Turismo.
Os projectos vão incidir também na construção de mais escolas e postos de saúde na periferia, reabilitação das vias secundárias e terciárias, requalificação das principais ruas e criação de espaços verdes na sede do município.
As autoridades municipais, acrescentou,  estão ainda a identificar um espaço para a autoconstrução dirigida e fomentar as actividades culturais e desportivas.
O sector agropecuário no município do Seles está em franco crescimento, com 42 associações, que integram 1.325 famílias camponesas e 24 cooperativas, com 1.492 agricultores, que se dedicam à produção de milho, feijão, ginguba, café, palmares, hortícolas, mandioca, batatas rena e doce.
A população animal do município compreende 6.457 cabeças de gado bovino, 1.240 caprino, 1.242 ovino, 2.730 suíno e 90.874 aves.
O sector do comércio está a conhecer um grande dinamismo, havendo actualmente 83 estabelecimentos comerciais e 33 vendedores ambulantes, enquanto o sector de hotelaria e turismo tem em funcionamento 13 unidades.
O município do Seles é rico em locais turísticos, que aguardam por investimentos para o seu aproveitamento, como as pedras de água da Catanda, a zona da Canhira, Chinduva, paisagem do Dinguiri, Piscina municipal, Morro da Velha e Quedas do rio Luai.

Educação e saúde


O administrador João Daniel Nunes disse que o município do Seles, à semelhança de outras partes da província e do país, enfrenta algumas dificuldades em infra-estruturas escolares e sanitárias e de recursos humanos. O sector da Educação conta com 39 escolas, das quais 36 do ensino primário, duas do I ciclo do ensino secundário e uma do II ciclo do ensino secundário, num total de 484 salas de aulas.
Leccionam no município 889 professores e frequentam aulas no presente ano lectivo 37.992 alunos em vários subsistemas de ensino.
A este número juntam-se 273 a­lunos do Magistério Primário que, concluída a formação, vão reforçar o quadro docente no município.
A merenda escolar beneficia, neste ano lectivo, cerca de dois mil alunos das escolas primárias de Chinduva e Canjombe, ambas na sede municipal, e a “Doutor Agostinho Neto”, na comuna de Amboiva.
No sector da Saúde, o município do Seles possui um hospital municipal, com 102 camas, dois centros de saúde, sendo um público e outro privado, e 23 postos de saúde.
Os serviços médicos são assegurados por sete médicos, todos expatriados, 85 enfermeiros de vários escalões e nove técnicos de diagnóstico e terapêutica.
O município do Seles, com uma superfície de 3.101 quilómetros quadrados, tem uma população estimada em 120.725 habitantes.

Tempo

Multimédia