Províncias

Wako Kungo em festa com os olhos no futuro

Casimiro José | Waku-Kungo

A cidade do Wako Kungo, sede do município da Cela, província do Kwanza-Sul, celebra hoje 43 anos da sua elevação a cidade. A região tem conhecido, nos últimos tempos, um crescimento em vários sectores sociais, no âmbito programa de combate à pobreza.

Fachada principal do edifício onde funciona a administração municipal do Wako Kungo sede do município da Cela no Kwanza-Sul
Fotografia: Casimiro José

A administradora do município da Cela, Maria Agria Russo, salientou os avanços registados e está optimista quanto ao futuro da região.
Para acelerar o desenvolvimento socioeconómico do município é necessário que seja resolvida a questão da energia eléctrica, a partir de fontes hídricas. Apesar deste problema, a administradora faz uma avaliação positiva dos projectos que estão a ser desenvolvidos na sede e arredores.
A administração municipal e o Governo Provincial delinearam uma série de projectos destinados a obter elevados níveis de desenvolvimento socioeconómico. Além do mega projecto Aldeia Nova, a cidade do Wako Kungo voltou a ser referência, ao ser escolhida como um dos pontos para incrementar o programa de produção do leite, que estimula o desenvolvimento de micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), integrado no programa do Executivo “Angola Invest”.
Os sectores da Saúde e da Educação também registaram avanços significativos. A rede sanitária do município é constituída por um hospital regional de referência, quatro centros e 27 postos de saúde. Os serviços médicos são assegurados por nove médicos e 218 enfermeiros de vários escalões.
Na localidade existem 78 escolas, das quais 27 de construção definitiva. No presente ano lectivo, foram matriculados 46.851 alunos dos vários graus de ensino, enquanto o processo de alfabetização absorve 1.696 alfabetizandos. No entanto, a insuficiência de salas e de professores origina que ainda se encontrem fora do sistema de ensino 8.548 crianças em idade escolar.

Dinamizar o turismo

Maria Agria Russo lançou um apelo aos investidores ligados ao sector do turismo no sentido de estes desenvolverem acções de recuperação dos locais turísticos. A revitalização do turismo, referiu, traz inúmeros benefícios, não só do ponto de vista de atracção de turistas como da criação de emprego para os habitantes da região, sobretudo os jovens.
Locais turístico, como o Miradouro da Cidade (Morro Waku), o Centro de Emissores da TPA e da RNA, a Capela do Monsanto na Aldeia nº 6, o Lago dos hipopótamos, encontram-se em avançado estado de degradação, pelo que necessitam de obras de restauro.
A administradora municipal mostrou-se preocupada com a falta de energia eléctrica, gerada a partir de uma central térmica, o que tem condicionado o investimento dos empresários na localidade. Devido a esta situação, a unidade de produção Cruval, que se dedicava ao fabrico de tijolos, paralisou e Maria Agria Russo considera ser difícil desenvolver a indústria nestas condições, dado o custo da energia alternativa.

Mais energia elétrica


Apesar de tudo isto, a administradora acredita em dias melhores, já que está a ser instalada uma linha de alta tensão para o fornecimento de energia eléctrica de Cambambe, a partir da subestação da Gabela. No quadro do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e de Combate à Pobreza e de Cuidados Primários, no município da Cela, foram executados vários projectos, muitos dos quais já concluídos e que respondem aos anseios das populações.
Até ao momento, já está concluída a rede eléctrica da sede comunal da Sanga, assim como foram reabilitados os fontenários dos Bairros Kitundo e Cassamba.
Estão igualmente concluídos um posto de saúde na sede da comuna da Sanga, um campo polidesportivo na sede e a melhoria do sistema de abastecimento de água potável.
Outras acções de vulto que decorrem na sede e arredores do Wako Kungo são as obras de reabilitação e ampliação do hospital municipal da Cela.
O programa para este ano contempla a conclusão de 20 casas evolutivas na comuna da Sanga e a construção de dois postos da Polícia. Também está prevista a vedação da escola com seis salas, construída na localidade de Tengue. Vão ser igualmente reabilitadas estradas secundárias e terciárias.
 A administradora municipal defende a união de todos para o desenvolvimento da cidade do Wako Kungo e da Cela, em geral. “Temos de trabalhar juntos para que possamos identificar e solucionar os nossos problemas”, frisou.
A cidade do Wako Kungo passou a ter esta designação em 1977/78, que resulta da confluência de dois morros, o Wako e o Kungo.
 Antes chamava-se aquela localidade do Kwanza-Sul Santa Comba e foi considerada o melhor colonato durante a vigência do sistema colonial em Angola.

Tempo

Multimédia