Províncias

Ligação entre Lucapa e Cambulo retomada em breve

Armando Sapalo | Lucapa

A ligação entre as sedes municipais do Lucapa e Cambulo, num percurso de 120 quilómetros, é retomada a partir de Agosto do próximo ano, com a conclusão das obras de reabilitação e ampliação da estrada inter-municipal, anunciou quinta-feira o responsável da obra.

Durante o longo período em que a estrada ficou intransitável cresceram árvores que a transformaram numa autêntica picada
Fotografia: Benjamim Cândido

O engenheiro da construtora Sol Dourado, José Costa, explicou que, até ao momento, a execução física ronda os 40 por cento e já foram terraplenados 56 quilómetros de estrada, o que já permite garantir fluidez de circulação de pessoas e mercadorias entre as sedes municipais do Lucapa e Cambulo, depois de 20 anos intransitável.
O director da obra esclareceu que a empreiteira depara-se com inúmeros constrangimentos, uma vez que a Lunda Norte é uma região onde se registam chuvas com forte intensidade, o que tem estado a atrasar o rendimento dos trabalhos.
Além disso, sublinhou que há muitos anos o troço rodoviário Lucapa-Cambulo não era objecto de qualquer tipo de reabilitação e daí a necessidade de se tomarem as devidas precauções para que as populações tenham uma estrada segura.
“Durante o longo período em que a estrada ficou intransitável cresceram muitas árvores, que a transformaram numa autêntica picada de acentuada degradação”, apontou o engenheiro José Costa.
Com vista a garantir maior consistência à importante via de comunicação, que vai possibilitar o restabelecimento da ligação entre dois municípios ricos em jazigos de diamantes e com uma promissora actividade agrícola, estão a ser realizadas acções de desmatação, limpeza e alargamento do terreno ao longo da referida estrada.
José Costa avançou que, para uma melhor permeabilização das águas pluviais, decorrem trabalhos de compactação das áreas consideradas críticas ao longo da estrada e a colocação do cascalho.
Apesar de se tratar da reabilitação precária de uma via secundária, José Costa garantiu que a estrada vai ter 11 metros de largura e duas faixas de rodagem.

Nova ponte

Nesta fase crucial da empreitada, o principal compromisso da empresa é a conclusão de mais 18 quilómetros até à ponte sobre o rio Luana. A conclusão desses 18 quilómetros vai permitir que os técnicos do Instituto Nacional de Estradas coloquem uma nova ponte sobre o rio Luana. Depois de se substituir a ponte do rio Luana pelo INEA, José Costa acredita que o trabalho de recuperação da estrada vai prosseguir até à sede municipal do Cambulo.
A intenção, explicou o engenheiro, é fazer com que a obra seja entregue ao Governo Provincial dentro dos prazos estabelecidos e assegurar a circulação de pessoas e bens sem grandes transtornos. A empreitada deu emprego a 20 jovens, formados no Centro Integrado de Formação Profissional do Lucapa e a antigos trabalhadores de empresas de exploração de diamantes, que estão a garantir o manuseamento de todos os equipamentos utilizados na obra, como niveladoras, cilindros, camiões, pás carregadoras e giratórias.

Escoamento de bens

O regedor do bairro Caxinacaji, localizado ao longo da via Lucapa/Cambulo, considerou que a reabilitação do troço vai ser um dos pontos de partida para a promoção do desenvolvimento harmonioso e contribuir na melhoria das condições de vida dos três mil habitantes do corredor da via.
A reabilitação vai facilitar o abastecimento das principais mercadorias para o consumo das populações e o incremento das trocas comerciais com outras localidades.
Os camponeses do bairro Caxinacaji ainda continuam a enfrentar muitas dificuldades para escoar os produtos do campo para as zonas de comercialização, devido à inexistência de estradas. "Com a via reabilitada, estão criadas as bases para a concretização dos projectos sobre a redução da fome e pobreza", disse o regedor.
A localidade, acrescentou, dispõe de uma escola primária de quatro salas, mas carece de professores. Actualmente, o sistema de educação no bairro é assegurado por apenas três professores, número considerado insuficiente para responder às necessidades educativas.

Tempo

Multimédia