Províncias

Livros escolares estão caros no mercado

Victor Pedro|

Pais e encarregados de educação do município do Sumbe, província do Kwanza-Sul, denunciaram a especulação do preço dos livros e outros materiais escolares por parte de comerciantes dos mercados informais.

Material escolar sempre caro no início de cada ano lectivo
Fotografia: Jornal de Angola

Pais e encarregados de educação do município do Sumbe, província do Kwanza-Sul, denunciaram a especulação do preço dos livros e outros materiais escolares por parte de comerciantes dos mercados informais.
O aumento dos preços dos livros é resultado da grande procura de livros nos mercados paralelos, porque não se encontram nas poucas livrarias existentes no município. Adquirir materiais didácticos para este ano lectivo, alguns encarregados de educação são obrigados a recorrer ao mercado informal, onde os preços são muito elevados.
Guilherme Daniel, funcionário público, lamentou ter de comprar os materiais escolares no mercado informal quando existem livrarias na cidade. “É uma pena termos de ser obrigados a isso, comprar livros na rua, só porque as livrarias não possuem quantidades que respondam à procura que se regista no Sumbe”.
O encarregado de educação manifestou-se satisfeito com os esforços que o Governo tem feito, nos últimos anos, para apoiar os alunos do ensino primário, distribuindo livros gratuitamente, de forma a minimizar os gastos das famílias que não possuem condições financeiras.
Joaquim Catraio Maneco, outro encarregado de educação, diz ser necessário o aumento de indústrias gráficas que garantam uma produção acentuada destes materiais a fim de se colmatarem as carências que ainda se registam no seio da sociedade.
No Sumbe, os materiais escolares mais procurados por pais e encarregados de educação, no mercado informal, são os cadernos diários, batas, livros e pastas. Alguns produtos são vendidos a preços acessíveis, mas a maioria é vendida a preços especulativos.
A abertura oficial do ano lectivo na província do Kwanza-Sul decorreu na cidade do Waku Kungo.

Tempo

Multimédia