Províncias

Chuvas levam à suspensão dos comboios em Luanda

Estragos provocados pelas fortes chuvas que caíram nos últimos dias em várias regiões do país levaram à suspensão temporária da circulação de comboios do Caminho-de-Ferro de Luanda (CFL), no ramal entre a capital e o Dondo.

Comboios entre as províncias de Luanda e de Malanje estão temporariamente parados
Fotografia: Edições Novembro

Um comunicado do CFL informa que foram cancelados os comboios de passageiros Luanda-Dondo-Luanda, programados para ontem. O CFL informa que a situação se manterá até que estejam repostas as condições técnicas com vista a garantir a circulação com segurança naquele ramal, garantindo que todos os esforços estão a ser feitos para a reposição da circulação “o mais breve possível”.
Com 424 quilómetros de comprimento, o CFL liga as províncias de Luanda, Cuanza-Norte e Malanje.
O CFL realiza diariamente 17 viagens de comboio suburbano de passageiros, o que lhe permite transportar, nos três serviços, perto de seis mil pessoas, que pagam 500 kwanzas em primeira, 200 na segunda e 30 na terceira classe. Desde segunda-feira, no âmbito do cumprimento dos serviços mínimos, imposto pela lei da greve, os trabalhadores mantinham em circulação dois comboios, sendo um no período da manhã às 7h00 de Viana ao Bungo e outro à tarde (16h00) no sentido inverso. A viagem de Luanda a Ndalatando ronda os 1.800 kwanzas e para Malanje o passageiro desembolsa três mil kwanzas, mas, devido à greve, o comboio para estas duas províncias parou.
Em Janeiro, o ministro dos Transportes, Ricardo D’Abreu, defendeu o aumento dos serviços, como transporte de combustíveis para a região Leste, a fim de se rentabilizar a empresa até este mês e aumentar os salários dos trabalhadores. Os combustíveis são transportados de Luanda para a Estação Terminal de Malanje e daí são levados em camiões cisternas para os tanques do Centro, situação que se pretende ver alterada, de acordo com o presidente do Conselho de Administração do CFL, Júlio Bango.
No mês passado, Júlio Bango afirmou que oito quilómetros do traçado do Caminho-de-Ferro de Luanda, que liga a Estação Terminal de Malanje ao Centro de Grande Armazenamento da Sonangol, localizado no bairro Quinguila, naquela cidade, seriam abertos à circulação este mês, para acelerar o transporte do combustível de Luanda.
Desde Dezembro, decorrem trabalhos de desmatação, colocação de brita e abertura de valas de drenagem das águas residuais para a melhoria do traçado que nunca funcionou, desde a sua reabilitação, em 2010,o que deu azo à vandalização da linha. Júlio Bango, que fez na altura uma viagem de verificação da obra, assegurou que, tão-logo finalizassem os trabalhos de recuperação da linha, o Centro receberia, numa primeira fase, dois comboios semanais com 14 cisternas cada.

Tempo

Multimédia