Províncias

Corpo de D. Damião chega hoje ao país

Nhuca Júnior|*

O corpo do arcebispo de Luanda, D. Damião Franklin, falecido na segunda-feira, na África do Sul, vítima de doença, chega às 12h00 de hoje a Luanda, onde vai ser sepultado dois dias depois.

Fotografia: Jornal de Angola

Após a chegada à capital do país, o corpo é levado para a Sé Catedral, onde fica até terça-feira, dia em que segue para o Pavilhão Gimnodesportivo da Cidadela, onde é celebrada, às 9h30, uma missa de corpo presente, para depois ser sepultado no Cemitério do Alto das Cruzes.
Várias mensagens de condolências têm chegado, diariamente, à redacção central do Jornal de Angola pela morte de D. Damião Franklin, aos 64 anos.
Ontem, o secretariado executivo nacional da Organização da Mulher Angolana (OMA) considerou D. Damião Franklin “uma personalidade de destaque da Igreja Católica em Angola e possuidor de notáveis qualidades intelectuais e de profunda sensibilidade social”, além de ter colocado o seu sentido humanista de abertura ao mundo, ao serviço dos fiéis.
“Nesta hora de dor e luto, o secretariado executivo nacional da OMA endereça, em nome das militantes, simpatizantes e amigas da organização, à Igreja Católica e à família enlutada do ilustre D. Damião Franklin os seus sentimentos de pesar”, lê-se na mensagem.
De Paris veio uma mensagem de condolências do embaixador de Angola na UNESCO, Diekumpuna Sita José, que enalteceu as qualidades do arcebispo. Em sua opinião, D. Damião Franklim contribuiu, de forma inestimável, para o fortalecimento da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), de 2003 a 2009.

Momento difícil

Na mensagem, o embaixador realça o contributo de D. Damião Franklin para a melhoria da qualidade do ensino universitário, como primeiro reitor da Universidade Católica de Angola (UCAN), e as suas posições esclarecedoras em relação às questões da sociedade angolana.
O governador da província de Malanje, abordado pelo Jornal de Angola, considerou o desaparecimento de D. Damião Franklin “um momento difícil para a Igreja Católica” e salientou que foi “com profunda dor e consternação que tomou conhecimento da morte por doença de sua reverendíssima arcebispo da Igreja Católica, D. Franklin”. />O governador Norberto dos Santos disse ter conhecido pessoalmente D. Damião Franklin, com quem partilhou vários momentos, e endereçou à Igreja Católica em Angola e à família enlutada os mais profundos sentimentos de pesar.
Na quinta-feira, foi realizada  na Sé Catedral, em Malanje, uma missa em memória de do arcebispo, celebrada por D. Luís Maria Peres de Honraita, bispo emérito diocesano, e assistida por vários fiéis, amigos e antigos colegas do malogrado, que foi estudante no Seminário São José, localizado no bairro Kangambo.D. Luís Maria, que foi padre na época em que D. Damião Franklin era seminarista, reconheceu os valores do seu antigo aluno e disse que foi muito inteligente, sempre prestou atenção aos estudos e, enquanto religioso, foi um bom pastor, homem íntegro, dedicou toda a sua vida em nome do Senhor e soube conduzir as suas ovelhas a um bom rebanho.
“Tenho muitas referências boas de D. Damião António Franklin”, disse o bispo emérito de Malanje, que acrescentou que a sua vida foi breve, porque ainda tinha muito a dar em prol da Igreja Católica e dos fiéis, aos quais serviu com abnegação.
“Podemos dizer que ele cumpriu elegantemente o cunho episcopal”, acentuou D. Luís Maria, para quem D. Damião Franklin “foi muito inteligente (…) e deu provas de um líder íntegro”.
A irmã Teresa Guinha, responsável da congregação de São José de Cluny, disse ter perdido um mestre, uma vez que D. Damião Franklin foi seu professor do Noviciado, etapa que serve para reflexão sobre a livre escolha da vida religiosa.
“A forma como transmitia os conhecimentos e a sua humildade para com os seus docentes contribuíram para a nossa livre escolha e a integração na casa do Senhor, uma vez que, naquela altura, muitos de nós tinham poucos conhecimentos sobre os direitos canónicos”, acrescentou.
O pároco da Sé Catedral, padre Lucas António, disse ser um desaparecimento prematuro, uma vez que ainda tinha muito a dar e para servir os seus servos.
 
 *Com Adelino Ngunza| Malanje

Tempo

Multimédia