Províncias

Mercado do Panguila com os espaços vazios

Maionona Artur | Panguila

O mercado do Panguila, no município do Dande, província do Bengo, está a registar, há já algum tempo, fraca afluência de clientes, o que causa o abandono do local por parte dos vendedores.

Apesar da higiene e segurança que oferece alguns produtos expostos nas bancadas acabam por se deteriorar devido à ausência de clientes
Fotografia: Edmundo Eucílio

O mercado do Panguila, no município do Dande, província do Bengo, está a registar, há já algum tempo, fraca afluência de clientes, o que causa o abandono do local por parte dos vendedores.
A escassez de clientes no maior recinto de vendas do Bengo causa a deterioração de várias quantidades de produtos, em especial horto-frutícolas.
O mercado do Panguila tem capacidade para 15.000 vendedores, distribuídos em 5.376 bancadas, 200 armazéns, 144 lojas, 36 câmaras frigoríficas e 48 restaurantes.
O grosso de vendedores foi transferido do antigo mercado Roque Santeiro, no Sambizanga.
Os vendedores dizem que as coisas, em termos de vendas e lucros, não são as mesmas. Por exemplo, o Jornal de Angola constatou que vários espaços e bancadas se encontram vazios, um ambiente bastante diferente do “falecido” Roque Santeiro.

Preços acessíveis

No Panguila, os preços continuam a ser bastante convidativos, mas a distância que separa o mercado da capital do país, de onde provém a maior dos compradores, tem afugentado os clientes.
O balde de tomate maduro, por exemplo, custa 700 kwanzas, a batata rena vende-se a 800 kwanzas e uma porção de banana pão é vendida a 100 kwanzas.
A vendedora Susana António queixa-se da falta de clientes, porque o investimento feito não produz lucros. Susana afirmou que vive distante do mercado do Panguila e que gasta muito dinheiro em  táxis.
“Nós procuramos sair tarde do mercado para ver se vendemos qualquer coisa, uma vez que é constrangedor chegar a casa sem levar nada para a família”, resmunga.
Maria de Fátima, vendedora há mais de 20 anos, disse que a concorrência dos outros mercados, como o Kicolo e os Kwanzas, tem prejudicado as vendas no Panguila, pois muitas pessoas preferem aqueles espaços por causa da distância.
A vendedora argumentou que a reversão do quadro passa pelo encerramento dos mercados do Kicolo e dos Kwanzas, o que obrigava os clientes a recorrer ao Panguila.


Pagar mesmo sem vender

Maria de Fátima lamentou o comportamento dos fiscais, insensíveis, às vezes, na cobrança da ficha da quota diária. “A pessoa é obrigada a pagar, mesmo sem vender absolutamente nada, o que é mau”, disse.
A vendedora alega também que quando os comerciantes se mostram incapazes de pagar a quota diária, os fiscais do mercado levam os produtos, aos quais dão um destino incerto.
Joaquim Ventura, vendedor de calças, também lamenta a atitude dos fiscais. Apesar das vendas não correrem bem, ele e os colegas são obrigados a pagar a ficha diária.
O vendedor afirma que o mercado tem boas condições e com a tomada de medidas sérias ele apresenta um cenário menos desolador. “Muitos que vendiam aqui preferiram o negócio ambulante ou partir para outros mercados de Luanda”, refere.

Mercado oferece segurança

O mercado do Panguila, ao contrário dos outros, oferece muita segurança aos vendedores e visitantes. Não há registo de casos de delinquência nem problemas com a higiene.
Os vendedores e clientes dizem que se não fosse a questão da distância, o mercado era o melhor do país. “O espaço não se compara ao Kicolo, São Paulo ou Asa Branca, que têm muita delinquência e sujidade”, referiu Rebeca Gomes Adão, residente em Cacuaco.
“Não suporto o mercado do Kicolo. Cada dia está mais cheio, com muita gente num espaço pequeno, quando aqui o Panguila oferece todas as condições para se realizar um bom comércio com a maior segurança de quem o visita”, diz Rebeca Gomes.

Administração satisfeita

O administrador do mercado do Panguila, Vitorino Kiteculo,  apesar de lamentar a falta de clientes, disse ontem que a prestação de serviço dos técnicos e dos fiscais tem sido boa, uma vez que cumprem as exigências e normas estabelecidas.
O responsável reconheceu que, muitas vezes, há vendedores que não têm tido o rendimento esperado, mas adiantou que a ocupação do espaço por parte destes para realizar quaisquer actividades comerciais carece de pagamento de uma taxa diária.
O valor pago pelos vendedores que ocupam os espaços no mercado permite que a administração pague ao pessoal da limpeza e outros serviços, salientou Vitorino Kiteculo.“Pagar a taxa é uma obrigação dos vendedores”, disse, para adiantar que esta e o respeito pelo trabalho dos fiscais são requisitos exigidos para não se comprometer a gestão eficaz do mercado.
O responsável lamentou também o facto de existirem vendedoras, em regra as mais novas, que faltam ao respeito aos fiscais, abandonam as bancadas para vender no chão e, muitas vezes, no exterior do recinto.

Tempo

Multimédia