Províncias

Professores de Luanda têm direito a transporte

André da Costa |

Os professores que leccionam nas zonas rurais dos municípios de Icolo e Bengo e Quiçama vão passar a dispor de meios de transporte, para evitar que tenham de fazer longas caminhadas em direcção às escolas, afirmou ontem o director provincial da Educação de Luanda.

Director provincial da Educação de Luanda André Soma destacou a melhoria das condições de trabalho no sector
Fotografia: Domingos Cadência

André Soma fez este anúncio durante a abertura da segunda fase do programa de formação para directores de escolas públicas e privadas do ensino primário, I e II ciclos do ensino secundário, que decorre até sexta-feira, no Anfiteatro do Instituto Médio de Economia de Luanda (IMEL). 
“Os professores das zonas rurais vão beneficiar de transportes, porque temos consciência de que algumas localidades estão distantes das sedes municipais”, explicou.
Neste momento, já está construída uma residência para professores que leccionam em zonas rurais do município de Icolo e Bengo e outra, no município da Quiçama, está quase concluída.   

Formação


A segunda fase da formação de 300 directores das escolas públicas e privadas do ensino primário e I e II ciclo do ensino secundário está a ser orientada por técnicos de educação da província de Luanda.    Durante a acção formativa realizada no ano passado, referiu André Soma, foram discutidos alguns conceitos de matérias importantes, assim como a inspecção escolar, “que é vista como um dos elementos didácticos e não punitivo como alguns professores pensam”.
“Actualmente, dirigir uma escola já é uma ciência. Por isso, é necessário que os directores obtenham conhecimentos científicos para poderem trabalhar mais à vontade com os alunos”, salientou. Os directores estão a obter conhecimentos sobre “Administração Escolar”, “Direcção Estratégica na Educação”, “Planificações das Acções Didácticas”, e “Trabalho Metodológico dos Professores”. “São elementos de que os nossos directores necessitam para poderem atingir, principalmente, a qualidade de ensino que se pretende no quadro da Reforma Educativa”, sublinhou.
André Soma acredita que depois de alcançadas as três fases previstas no programa de formação, os directores de escolas vão estar melhor preparados para dirigir os estabelecimentos de ensino com mais eficiência.

Tempo

Multimédia