Províncias

Lubango precisa de mais salas de parto com blocos operatórios

Arão Martins | Lubango

A Maternidade do Lubango, situada na cidade do Lubango, têm se revelado incapaz para atender, satisfatoriamente, o número de parturiente que diariamente acorre ao local, por ter apenas uma sala de parto e um bloco operatório, revelou hoje ao Jornal de Angola, a directora geral da instituição, Irina Jacinto.

Maternidade do Lubango realiza 45 a 50 partos em apenas uma sala que atende mulheres provenientes de toda a província
Fotografia: Edições Novembro

A responsável informou que a maternidade realiza 45 a 50 partos por dia a parturientes não só da cidade do Lubango mas também de vários municípios da província . “O município do Lubango, por si, é grande, juntando este factor ao número elevado de senhoras que saem de várias localidades da província em busca dos nossos serviços, a sala de parto e o bloco operatório que temos tornam-se insuficientes”, frisou.
“Se tivermos mais salas de parto”, prosseguiu , “vamos desafogar os nossos serviços. Portanto, temos de ter, pelo manos, mais duas ou três salas com centros cirúrgicos espalhadas pela cidade do Lubango.”
Irina Jacinto disse que a instituição que dirige também está transformada num centro de formação, pois se dedica também à formação de médicos.
A Maternidade do Lubango, que funciona provisoriamente no Hospital Central da província, conta com 20 médicos assistentes e precisa de mais 15, e 50 profissionais de diversas áreas para atender as necessidades, segundo Irina Jacinto. O hospital tem 208 camas, e serviços de Pós- Parto, Ginecologia e Cuidados Intensivos.

Casos de cesarianas

Irina Jacinto lamentou por não haver cobertura satisfatória das consultas pré-natais, porque muitas grávidas furtam-se ao controlo médico . “ Temos notado que muitas grávidas vão apenas à primeira consulta, e depois não aparecem mais no hospital. Estas pessoas têm de ter consciência que, o acompanhamento médico lhes permite controlar eventuais alterações da gravidez e corrigi-las na devida altura,” alertou.

Tempo

Multimédia