Províncias

Lunda-Norte repatria ilegais

Joaquim Aguiar | Dundo

 Serviço de Migração e Estrangeiros, na Lunda-Norte, repatriou, esta semana, cerca de 600 estrangeiros de várias nacionalidades, por violação de fronteiras e estadia ilegal no país, revelou ontem, no Dundo, o chefe de informação e análise, Eduardo André.

 Serviço de Migração e Estrangeiros, na Lunda-Norte, repatriou, esta semana, cerca de 600 estrangeiros de várias nacionalidades, por violação de fronteiras e estadia ilegal no país, revelou ontem, no Dundo, o chefe de informação e análise, Eduardo André.
Esclareceu igualmente que, “no cumprimento das acções de fiscalização, foram interpelados e detidos por permanência ilegal no território nacional 311 estrangeiros de nacionalidades diversas”, dos quais 291 do Congo Democrático, 15 da Guiné Conakry, um do Congo Brazzaville, um do Burkina Fasso, um da Costa do Marfim e dois da República do Mali.
De acordo com aquele responsável, 313 cidadãos do Congo Democrático foram interpelados, a partir dos postos fronteiriços, pela Polícia de Guarda Fronteira, quando pretendiam entrar no país por vias ilegais.
 Eduardo André apontou os postos de Sandumba, Quilómetro 20, Nordeste e Furi-3, na região norte da província, como as áreas fronteiriças mais violadas, por darem acesso às zonas de prática de garimpo. Outros postos também sensíveis são as fronteiras fluviais de Tunguila e marco 28, na região sul da província.
Para garantir a observância das leis vigentes no nosso país, em matéria migratória, o Serviços de Migração e Estrangeiros e a Polícia de Guarda Fronteira estão a reforçar medidas operativas para impedir a entrada ilegal de estrangeiros, durante a quadra festiva.

Tempo

Multimédia