Províncias

Actividade agro-pecuária com projectos ambiciosos

Joaquim Aguiar |

As autoridades da província da Lunda-Norte querem relançar a actividade agrícola e pecuária nos próximos cinco anos, aproveitando as excelentes condições climatéricas da região como base fundamental para a diversificação da economia local, criação de postos de trabalho e melhoria das condições de vida dos cidadãos, disse ao Jornal de Angola, no Dundo, o responsável do sector da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, José Mendes.

Fotografia: Benjamim Cândido|



As autoridades da província da Lunda-Norte querem relançar a actividade agrícola e pecuária nos próximos cinco anos, aproveitando as excelentes condições climatéricas da região como base fundamental para a diversificação da economia local, criação de postos de trabalho e melhoria das condições de vida dos cidadãos, disse ao Jornal de Angola, no Dundo, o responsável do sector da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, José Mendes.
José Mendes apontou como tarefa imediata a sensibilização dos camponeses para a necessidade de diversificação das culturas, a adpoção de políticas que viabilizem a agricultura familiar sustentável, assente em relações íntimas entre o trabalho e a gestão e decisões ligadas ao alto grau de imprevisibilidade do processo produtivo.
Para a concretização das políticas de relançamento da agricultura familiar sustentável, de acordo com José Mendes, o crédito agrícola apresenta-se como uma “ferramenta” indispensável, para potenciar os agricultores locais a produzir para o mercado regional, de forma a melhorar a dieta alimentar das populações.
José Mendes, que realçou a responsabilidade do sector que dirige na concretização das políticas do executivo sobre o combate à fome e redução da pobreza, disse que o seu pelouro aposta igualmente na extensão dos serviços de assistência técnica aos agricultores e a organização das Estações de Desenvolvimento Agrário, para que estas possam garantir um serviço de qualidade às populações.
O também engenheiro agrónomo disse que além de se prestar maior atenção ao meio rural, com estruturação do sistema produtivo - realçando a necessidade do abandono gradual da tradicional monocultura de mandioca para uma agricultura mais abrangente e sustentada -, as autoridades da província estão igualmente apostadas em grandes projectos agro-pecuários, na perspectiva da criação de uma rede de agro-indústria na região.

Projectos agro-pecuários

A entrada em funcionamento do projecto agro-pecuário do Cacanda, no município do Chitato, em Março deste ano, segundo José Mendes, veio dar maior impulso ao relançamento da actividade agrícola na província e criou bases para o surgimento de vários projectos da mesma dimensão.
José Mendes afirma igualmente que várias personalidades empresariais que nos últimos meses visitaram a província da Lunda- Norte manifestaram interesse em investir no ramo agro-pecuário, tendo como referência o projecto Cacanda.
“Temos propostas da União Europeia para financiar projectos agrícolas na nossa província, o que não acontecia antes. A ENDIAMA através da ENDITRADE também se propõe reactivar a produção de arroz no Nordeste e produção pecuária no Cossa.
Tudo isto é benéfico para o desenvolvimento da região”, disse, acreditando que é possível nos próximos anos a província da Lunda-Norte elevar o seu potencial agro-pecuário no contexto do país.
Como projectos estruturantes a serem implementados nos próximos nos, o director provincial da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas apontou o projecto Calonda, que vai lançar 22 fazendas de cinco mil hectares cada e produzir mil toneladas de carne bovina anualmente.
O projecto Calonda, cujo acto de colocação da primeira pedra para a sua construção aconteceu em Maio, vai ser implantado numa área de 160 mil hectares, conta igualmente com várias infra-estruturas administrativas e na sua fase conclusiva vai criar cerca de 800 postos de trabalho.
Outros projectos que devem ser implementados nos próximos tempos, segundo José Mendes, são a fazenda nordeste e Capenda Camulemba, vocacionadas para o relançamento da produção de arroz no Cossa, que faz parte das grandes infraestruturas agro-pecuárias da ex-Diamang e o programa de fomento da pesca artesanal, sobretudo produção de peixes em cativeiro.
O responsável da agricultura realçou ainda o programa de “lenha para todos” a ser implementado o próximo ano, que visa reduzir o desgaste físico das pessoas que têm o combustível lenhoso como base para a confecção de alimentos.
Este programa, segundo José Mendes, vai também disciplinar o abate indiscriminado de árvores por parte dos cidadãos que se dedicam à produção de carvão de lenha.

Escoamento de produtos

O director provincial da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas explicou que está a ser desenvolvido um programa específico, no quadro do Plano Integrado de Comércio Rural, que visa sobretudo criar redes de escoamento da produção agrícola no país. No quadro da estratégia nacional, disse José Mendes, a província da Lunda-Norte consta do corredor do desenvolvimento do comércio rural Centro-Norte, juntamente com as províncias do Kwanza-Norte, Malange e Uíge.  Para o responsável da agricultura, a ligação da Lunda-Norte às províncias com um nível de desenvolvimento aceitável em termos de exercício da actividade agrícola, vai contribuir para uma maior interacção e troca de experiências dos agricultores locais.
Além da estratégia nacional de comércio rural, José Mendes apontou igualmente a necessidade de, a nível local, serem criadas redes de escoamento de produtos agrícolas, de forma a permitir que os pequenos agricultores e camponeses associados possam vender os bens produzidos nos principais mercados da província.
Realçou a realização, anualmente, da feira agro-pecuária do Cacanda como uma excelente oportunidade para a criação de condições e mecanismos que contribuam para, num futuro próximo, criar redes e mercadas locais para venda dos produtos agrícolas.

Campanha agrícola

Ao referir-se à presente campanha agrícola, o director provincial da Agricultura e Desenvolvimento Rural disse estar optimista quanto aos resultados deste ano, tendo em conta que foram distribuídos meios a vários camponeses associados.
José Mendes não disse quantos hectares foram preparados para a presente campanha agrícola, mas assegurou que a brigada de mecanização agrícola desempenhou a­poio importante na preparação de terra, desmatação, derrube de árvores, de forma a aumentar as áreas de cultivo.
Lamentou o facto do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA) não estar implantado em todos os municípios da província, mas garante terem sido tomadas medidas cautelares para a estabilidade dos níveis de produção, através de acompanhamento e monitorização sistemática dos técnicos deste sector para o êxito do processo da campanha agrícola.
O acompanhamento aos camponeses, segundo José Mendes, vai melhorar nos próximos dias com a inauguração ainda este ano da Estação de Desenvolvimento Agrário de Capenda Camulemba.
A estação agrária de Capenda Camulemba, assegurou, vai permitir assistir tecnicamente as associações de camponeses e cooperativas agrícolas dos municípios da área sul da província, com realce para os municípios de Xá-Muteba, Cuango, Caungula, Cuilo e Lubalo.
Além de criar um sistema de stock de sementes e produtos agrícolas, afirmou, o empreendimento vai igualmente proporcionar aos camponeses o uso de inovações tecnológicas e contribuir não só para o aumento dos níveis de produtividade, mas também assegurar maior qualidade dos produtos.

Tempo

Multimédia