Províncias

Aeroporto do Dundo encerrado para obras

Isidoro Samutula | Dundo

O aeroporto do Dundo está encerrado ao tráfego aéreo desde ontem, para o arranque da segunda fase das obras de reabilitação e modernização da pista, que está num estado de degradação avançado, anunciou o director da ENANA na província da Lunda Norte.

Segunda fase dos trabalhos de reabilitação da pista vão levar dez meses
Fotografia: João Gomes |

Domingos José salientou que a segunda fase da obra de reabilitação do aeroporto do Dundo consiste na ampliação da pista para as dimensões e padrões internacionais, que permitam a aterragem de aviões de grande porte.
Deste modo, os trabalhos vão transformar o empreendimento num espaço que vai garantir uma oferta de serviços com qualidade aos passageiros.
A ENANA previu uma ampliação da pista de 1.800 para 2.500 metros de comprimento e 45 de largura, devendo igualmente serem alargadas as bermas, tendo em vista a sua adequação a aviões de grande porte. As obras vão decorrer ao longo de dez meses, tendo em conta o início da época chuvosa.
O encerramento da pista do aeroporto do Dundo estava previsto para o passado dia 15 de Julho, conforme anunciado pelo governador provincial, Ernesto Muangala, mas, devido a atrasos registados na mobilização dos meios por parte da empresa responsável pela obra, só agora arranca a segunda fase dos trabalhos de reabilitação do aeroporto. O director da ENANA apontou os aeródromos do Nzagi, no município do Cambulo, que fica a 90 quilómetros da cidade do Dundo, e do Lucapa, a 150, como as alternativas para os passageiros e para as companhias aéreas que pretendem operar na província, além do aeroporto do Saurimo (Lunda Sul).
A primeira fase do projecto de recuperação e modernização do aeroporto do Dundo teve início em 2012, com a construção e entrada em funcionamento do novo terminal de passageiros.
 A infra-estrutura, com dois pisos, foi erguida numa área de 2.558 metros quadrados e passou a ter capacidade para acolher 300 passageiros em hora de embarque e desembarque. No primeiro piso funcionam vários serviços, entre os quais quatro balcões de check-in, o mesmo número destinado aos Serviços de Migração e Estrangeiro, além de zonas específicas de tratamento de bagagem, com tapete rolante e equipamento de raio-X, destinado ao rastreio da carga.
O segundo piso alberga as áreas administrativas da ENANA e a torre de controlo de operações áreas, devidamente equipada com tecnologia avançada de comunicação, de acordo com o que é recomendado pela Organização Internacional de Aviação Civil (OIAC).
Na nova aerogare, os passageiros vão ter disponível um restaurante e lojas para a venda de produtos diversos e serviços de aluguer de automóveis.

Tempo

Multimédia