Províncias

Agricultores do Chitato solicitam apoio financeiro

Armando Sapalo |Dundo

Ernesto Muangala auscultou os camponeses
Fotografia: Benjamim Cândido

Os agricultores do município do Chitato, província da Lunda-Norte, pediram às autoridades apoio financeiro e instrumentos de trabalho, para aumentarem os níveis de produtividade, produção e contribuir para o êxito dos programas municipais integrados de desenvolvimento rural e combate à pobreza.
O agricultor Salvador Cavula, que falava ao Jornal de Angola durante a visita do governador provincial da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, disse que são necessários incentivos ao sector, para estimular os pequenos e médios agricultores.
Defendeu a necessidade do governo da província apoiar os empresários locais, com tractores, charruas, sementes e outros meios, que permitam aumentar os níveis de produtividade agrícola, com realce para o crédito de campanha.
Salvador Cavula afirmou que a sua fazenda tem 300 hectares e 14 estão reservados ao cultivo de tubérculos, sendo dez para mandioca e quatro para batata-doce.Os trabalhos de desbravação da terra, revelou o agricultor, foram efectuados com imensas dificuldades, porque foram utilizados apenas instrumentos agrícolas rudimentares, como catanas e enxadas.
Explicou que o projecto começou há cinco anos, com um investimento inicial de 250 mil dólares, tendo numa primeira fase garantido 15 postos de trabalho.
Disse que para além da agricultura, pretende igualmente alargar o seu projecto à actividade pecuária. Já conta com 15 cabeças de gado bovino, adquiridas na República Democrática do Congo, para aumentar a oferta da carne na região.
Considerou que a aposta do governo no relançamento do sector agro-pecuário é ponto de partida para a redução da fome e da pobreza no seio das comunidades.
Para o êxito dos programas Salvador Cavula disse que é importante uma conjugação de esforços entre as autoridades governamentais e a classe empresarial da província.
Costa Tuma, trabalhador da fazenda Salcam, afirmou que os trabalhos decorrem muito bem, apesar de algumas dificuldades ligadas à falta de meios, que uma agricultura mecanizada exige.
Este é o seu primeiro emprego, desde o ano 2009, e tem conseguido satisfazer as necessidades da sua família, com o seu ordenado.
Com o dinheiro que ganha, revelou, conseguiu construir a casa onde actualmente vive com a família, para além de ter conseguido matricular os filhos, que antes não podiam ir à escola por falta de recursos para comprar roupas e material didáctico.

Governo promete apoio

Em resposta às dificuldades apresentadas pelos agricultores, o vice-governador para o sector económico, Porfirio Muacassange, incentivou os agricultores da província a aumentarem os níveis de produção agrícola, no sentido de responderem aos desafios do sector.
Porfirio Muacassange considerou o crédito agrícola de campanha como um grande incentivo, para que os pequenos e médios agricultores possam melhorar a sua produção.  Prometeu que o Governo provincial vai reabilitar as estradas, para garantir a circulação e escoamento dos produtos para a sua comercialização.

Tempo

Multimédia