Províncias

Autoridades apostam na revitalização

Armando Sapalo | Dundo

Autoridades da Lunda-Norte querem revitalizar a cultura do arroz na comuna do Canzar, no quadro do relançamento do sector a­grícola e da diversificação de culturas, especialmente cereais, disse, ao Jornal de Angola, o director provincial da agricultura.

Director da Agricultura José Mendes
Fotografia: Benjamim Cândido|Dundo

Autoridades da Lunda-Norte querem revitalizar a cultura do arroz na comuna do Canzar, no quadro do relançamento do sector a­grícola e da diversificação de culturas, especialmente cereais, disse, ao Jornal de Angola, o director provincial da agricultura.
A revitalização da zona agrícola do nordeste, que tem dos maiores projectos de cultivo de arroz do país, afirmou José Mendes, vai estimular a economia local e contribuir para na redução da pobreza.
Para concretização desses objectivos, referiu, o governo provincial tem estabelecido contactos com várias entidades nacionais e internacionais para tentar encontrar investidores interessados na revitalização da cultura de arroz, que “é um gigante adormecido”. O Perímetro Agrícola do Nordeste, paralisado há cerca de 30 anos, a 97 quilómetros da Comuna de Canzar, com 2.500 hectares, produzia anualmente mais de 25 mil toneladas de arroz.
O projecto tinha uma fábrica de descasque de arroz, armazéns, oficinas, áreas administrativas e centros de depósito, com capacidade para mais de mil toneladas de sementes destinadas a época seguinte. Devido ao tempo em que os solos estiveram inactivos, lembrou José Mendes, é necessário, após a desmatação, experimentar diferentes tipos de sementes de arroz para determinar qual se adapta melhor ao clima.

 Outros projectos

Além dos contactos que o governo da província desenvolve para encontrar investidores para a revitalização do cultivo de cereais, principalmente arroz, decorre o programa de fomento de fruticultura.  Os esforços das autoridades locais estão igualmente centrados na formação de empresários, com o objectivo de fazer com que substituam a monocultura da mandioca por outras que proporcionem maiores rendimentos familiares. A intenção do governo da província da Lunda-Norte, disse, é fazer com que a cultura de subsistência familiar, com base na mandioca, seja feita em paralelo com a de  hortícolas e cereais.
 “Pretendemos elevar a consciência dos camponeses e de pequenos e médios empresários do sector agrícola e para isso procuramos dotá-los de novos conhecimentos, que lhes permitam cultivar cereais e hortícolas e não se limitarem à mandioca como o tempo em que a Dimang detinha o monopólio da terra”, declarou.

População enaltece projecto

Um dos antigos trabalhadores do Perímetro Agrícola do Nordeste e habitante da localidade do Chingolondo, arredores da antiga fábrica de arroz, disse estar feliz por o governo provincial querer reactivar a actividade agrícola na região. A reactivação da produção de arroz pode permitir o reenquadramento dos antigos trabalhadores ou familiares, alguns dos quais estão desempregados.
O antigo operador da máquina de corte de arroz recordou que o Perímetros Agrícola do Nordeste, que começou a ser projectado em 1957, entrou em pleno funcionamento em 1972,  empregando várias pessoas de Chingolondo. Alberto Maquenga, que trabalhou como dactilografo, disse esperar que o projecto se torne numa realidade, pois pode constituir o começo de uma vida melhor para a população. O Perímetro Agrícola do Nordeste tinha 250 trabalhadores, entre funcionários administrativos, operadores de máquinas de descasque de arroz, tractoristas e armazenadores.

Administração garante soluções

O administrador municipal, que enalteceu a intenção do governo da província de revitalizar a produção de arroz, afirmou que no âmbito dos Programas de Investimentos Públicos (PIP) estão previstas a reabilitação das vias secundárias e terciárias que ligam a sede municipal às comunas para facilitarem a construção de escolas e de postos médicos. No quadro do projecto de reactivação da zona agrícola do nordeste, disse Alberto Muquendi, administração municipal vai realizar obras de recuperação da rede viária, sobretudo no eixo Chingolondo/Comuna de Canzar. 

Vietname traz investidores

No quadro dos esforços das autoridades para encontrarem investidores para a reactivação da cultura de arroz, o embaixador do Vietname esteve na região. Após visitar do campo destinado ao cultivo de arroz, Pham Tien Nhien disse ter ficado impressionado com o que viu:
 “É uma área tradicional no cultivo de arroz que está a ser subaproveitada e, juntamente com o Executivo, vamos procurar encontrar empresários que queiram investir aqui”.

Tempo

Multimédia