Províncias

Autoridades da província pedem aumento de capturas

Isidoro Samutula| Dundo

O director da Agricultura e Desenvolvimento Rural e Pescas, José Mendes, anunciou no Dundo o programa de recuperação dos centros piscícolas do Bairro Novo e Cundueji, para o relançamento da pesca artesanal na província da Lunda-Norte.

Associações de pesca recebem embarcações
Fotografia: Isidoro Samutula|Dundo

O director da Agricultura e Desenvolvimento Rural e Pescas, José Mendes, anunciou no Dundo o programa de recuperação dos centros piscícolas do Bairro Novo e Cundueji, para o relançamento da pesca artesanal na província da Lunda-Norte.
José Mendes disse que a recuperação dos centros piscícolas vai ter uma parceria público-privada com a empresa Kapelongo, que vai montar, também, os centros para a reprodução de peixes em tanques especiais, com controlo de temperatura e salinidade de água e outros cuidados, para posterior distribuição aos produtores.
Com esta parceria, três mil famílias vão ser apoiadas na formação e com meios de trabalho, para facilitar a definição de políticas de desenvolvimento e para acompanhar a pesca artesanal.
“Os investimentos visam relançar a actividade piscatória, pois a província da Lunda-Norte possui abundantes recursos hídricos, que é preciso aproveitarmos e contribuirmos para o programa do Executivo de combate à pobreza”, disse José Mendes. Para o relançamento da pesca artesanal foram adquiridas, pela direcção da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, cem embarcações a motor e 94 a remo, distribuídas às associações de pesca. Na província da Lunda-Norte estão identificadas 121 unidades de pesca, com 968 associados, segundo José Mendes, que considera este número pequeno, tendo em conta a extensão territorial e os recursos hídricos disponíveis. “Pretendemos aumentar o número de associados e, por isso, estamos a sensibilizar a população para aderir à actividade piscatória”, sublinhou.
Anualmente, os níveis de captura na Lunda-Norte atingem as 169.400 toneladas de peixe, mas, com a modernização que se pretende no sector, estes números podem aumentar nos próximos anos. Os municípios do Capenda Camulemba, Xá Muteba, Lubalo, Caungula, Cuilo e Cuango são os mais produtivos.
“Estamos a trabalhar para a criação de associações em todos os municípios, de modo a facilitar a prestação de informações sobre os novos rumos da actividade”, disse o director das Pescas, apelando, no entanto, para o respeito pela ética, na reprodução dos peixes, para se evitar capturas anárquicas.

Tempo

Multimédia