Províncias

Avançam obras na via Chitato/Cambulo

Armando Sapalo | Dundo

As obras de reabilitação e asfaltagem da Estrada Nacional 180-A, que liga os municípios do Chitato e de Cambulo, na Lunda Norte, num percurso de 90 quilómetros, ficam concluídas em Outubro do próximo ano, anunciou ontem o responsável da empresa Omatapalo, encarregue na execução da empreitada.

Em termos de engenharia de construção civil estão a ser tomadas todas as precauções para a estrada poder durar bastante tempo
Fotografia: Benjamin Cândido

Carlos Silva disse que a obra decorre a um ritmo aceitável, mas que pode abrandar devido às constantes chuvas que se abatem sobre a região.
Até ao momento, em termos de execução física, os trabalhos rondam os 20 por cento e já foram terraplenados 32 quilómetros, o que garante que, até finais de Fevereiro, começa o processo de colocação do tapete asfáltico.
A obra teve início em Julho do ano passado, com acções preliminares, com destaque para a desmatação e limpeza do terreno, devido aos inúmeros buracos que levaram à degradação da estrada.
O acentuado desgaste da via de comunicação rodoviária está relacionado com a elevada quantidade de chuvas que se abatem na província, a par da sua antiguidade, já que foi construída no tempo colonial.
Em termos de engenharia de construção civil estão a ser tomadas todas as precauções para que se entregue uma estrada de longa duração e com segurança para o trânsito. Para permitir uma maior permeabilização das águas pluviais foi feita a compactação das áreas críticas do troço.
“Pretendemos entregar a obra antes do prazo de execução estabelecido, que são de 24 meses, mas sabemos igualmente que temos de fazer um trabalho de qualidade, que garanta durabilidade, para que depois da sua conclusão a população circule em segurança ”, declarou. O engenheiro disse ainda que está a ser desenvolvido um trabalho árduo, uma vez que a base que vai assegurar o asfalto é feita de agregado totalmente de rocha, que confere à estrada uma capacidade de suporte bastante superior, tendo em vista a circulação de viaturas com mercadorias pesadas.
Além disso, a estrada vai ter uma sub-base feita com mistura de solos, que permitem garantir todas as condições de longa duração e segurança, aliada a pinturas e sinalizações necessárias numa estrada nacional.
 A plataforma asfaltada é concebida para nove metros de largura e duas faixas de rodagem, além de bermas de dois metros de largura, para facilitar o estacionamento e a reparação de viaturas em eventuais situações de avarias ao longo da estrada e garantir segurança aos peões e motociclistas. A empreitada deu emprego directo a 180 jovens nacionais, formados nos diferentes centros do Instituto Nacional de Formação Profissional da Lunda Norte em várias especialidades.

Tempo

Multimédia