Províncias

Caungula ganha novas infra-estruturas

Joaquim Aguiar| Dundo

A província da Lunda-Norte celebrou domingo 32 anos de existência.

O Museu do Dundo é um dos locais de interesse turístico da Lunda-Norte que completou 32 anos de existência
Fotografia: JA

A província da Lunda-Norte celebrou domingo 32 anos de existência.
As festas da província da Lunda-Norte realizam-se desde 1988, com a concentração das principais actividades na cidade do Dundo. Este ano, o governo provincial decidiu estender as comemorações do aniversário da província a vários municípios, e coube desta vez a Caungula acolher o acto provincial, sob o lema “32º aniversário da Lunda-Norte - mais rigor, mais transparência, rumo ao desenvolvimento sustentável”.
O município do Caungula ganhou, no dia 4 de Julho, novas infra-estruturas administrativas e sociais, construídas no quadro do programa de intervenção municipal. O governador Ernesto Muangala inaugurou a nova sede da administração municipal, residências para o administrador municipal e seu adjunto, 10 casas económicas para funcionários e uma escola com seis salas, para o primeiro ciclo do ensino primário.
Na comuna de Camaxilo foram igualmente inauguradas residências para administrador comunal, uma escola e o sistema de abastecimento de água potável às populações.
A sede municipal de Caungula acolheu, também, várias actividades culturais e recreativas, com realce para o “Caldo do poeira” e festival músico-cultural abrilhantado pelos grupos Sassa Tchokwe Internacional, os Mimbos, Maringas e Akixi Txianda.
Ainda alusivo ao trigésimo segundo aniversário da província Lunda-Norte, o município do Chitato ganhou, também, 10 residências para quadros da administração municipal e uma escola de seis salas, no bairro Cadjamba.
O programa festivo do 32º aniversário da criação da Lunda-Norte inclui a realização da gala para atribuição do Prémio de Jornalismo 4 de Julho e combates de boxe profissional, marcados para o fim desde mês.
O 4 de Julho não é apenas sinónimo de festas e alegrias, mas é também um momento de reflexão profunda, sobre os programas que devem garantir o desenvolvimento sustentável da província da Lunda-Norte.

Reconstrução em marcha

A propósito da data, o governo provincial, através de um comunicado de imprensa, destaca a reconstrução das infra-estruturas destruídas no período do conflito armado, como estradas e pontes, de forma a criar as condições para a livre circulação de pessoas e bens e trocas comerciais, a nível da região.
O governo provincial, segundo o comunicado, tem estado a desenvolver acções tendentes a assegurar os principais serviços básicos às populações, como a energia e água, a garantia de um sistema de educação de qualidade para os diferentes níveis de ensino e a melhoria substancial dos serviços de assistência médica e medicamentosa às populações.
A criação das condições de habitabilidade das populações constitui, também, prioridade do executivo de Ernesto Muangala, que tem as atenções viradas para o programa de construção de vinte mil casas, das quais cinco mil a serem concluídas na primeira fase, prevista para 2012.
Este ambicioso programa, cuja execução é da responsabilidade do Gabinete de Reconstrução Nacional, tem também como objectivo dotar a capital da província, a cidade do Dundo, de infra-estruturas modernas que venham assumir, de facto, o processo de interacção dos diferentes segmentos que vão contribuir para o desenvolvimento multisectorial da província.
O projecto de construção da nova cidade, capital da província da Lunda-Norte, é, na opinião de governantes, académicos e políticos locais, o maior ganho que a província conquistou nos últimos trinta e dois anos.
O arquitecto Lino dos Santos afirmou que a nova cidade do Dundo está enquadrada no âmbito do surgimento de novas centralidades, que têm como objectivo reduzir a carência habitacional que o país vive, em particular a província da Lunda-Norte.
Lino dos Santos disse, também, que o projecto tem impacto imediato quanto à modernização da cidade do Dundo. “Porque quando se fala em cidades modernas hoje, é sinónimo de edifícios altos que crescem na vertical; nós não podemos continuar a viver conforme o fazemos hoje, só em vivendas”, referiu.

Histórico

A província da Lunda-Norte surgiu como resultado da divisão da então província da Lunda, ao abrigo do decreto presidencial nº86/78 de 4 de Julho.
A província ocupa um espaço territorial de 103.760 quilómetros quadros, no Nordeste de Angola, com cerca de um milhão de habitantes. Tem nove municípios e 25 comunas. A cidade do Dundo é a capital desde 1995, por deliberação da Comissão Permanente do Conselho de Ministros, em substituição da cidade do Lucapa, inicialmente proposta.
A data é comemorada, anualmente, com a realização de actividades políticas, recreativas, culturais e desportivas, que mobilizam grande parte da população da província, para os desafios de reconstrução e estabilidade económica e social da região.

Tempo

Multimédia