Províncias

Cidade do Dundo renova a imagem

Armando Sapalo e João SiLva |

A cidade do Dundo, capital da província da Lunda-Norte, está a ganhar uma nova imagem com as obras de requalificação das principais rotundas e avenidas.

A cidade do Dundo, capital da província da Lunda-Norte, está a ganhar uma nova imagem com as obras de requalificação das principais rotundas e avenidas.
A empreitada está a cargo das empresas de construção civil 7 Cunhas e Sol Dourado e consiste na colocação de novas placas informativas, sinalização horizontal e vertical das principais ruas e avenidas da cidade e construção de passeios e lancis.
Estão a ser colocadas mais de 300 placas verticais, com sentidos obrigatório, de proibição e outros sinais de trânsito, assim como semáforos, o que vai permitir regular melhor e disciplinar o trânsito a nível da cidade.
A requalificação da cidade do Dundo inclui também a instalação de iluminação nas placas informativas e o alargamento dos espaços verdes, no sentido de contribuir para a melhoria do sistema de saneamento básico da cidade.
As obras da rotunda do Obelisco estão na fase final e já se vislumbra uma imagem agradável de uma cidade que está em constante renovação e modernização.
Na rotunda do obelisco estão estampados os testemunhos histórico do país e da província, com realce para a época colonial, como a chegada dos portugueses ao Zaire em 1483, a “restauração” de Angola em 1648, expedição portuguesa ao reino de Muatxiânvua em 1884 e a fundação da companhia de pesquisas mineiras de Angola, em 1912 e 1913.
Foi igualmente remodelada a rotunda do aeroporto, que é a porta de entrada da cidade do Dundo, com novos passeios, lancis, valas de drenagem das águas pluviais, iluminação e sistema de sinalização. Segundo o responsável da empresa 7 Cunhas, Sérgio Cunha, nos próximos dias começam a ser requalificadas as rotundas do bairro norte e a do “Tchicamba”.
De acordo com o técnico, o sistema de sinalização vertical e horizontal, assim como a colocação de semáforos, vai abranger o cruzamento que dá acesso à RNA local, onde se regista enorme circulação de pessoas e viaturas.
São no total sete entroncamentos que, de acordo com o projecto, vão receber novos sistemas de semáforos, com destaque para as imediações da sede do governo provincial, do Museu do Dundo e futuras instalações da reitoria da Universidade Lueji A’Nkonde .
O técnico da empresa 7 Cunhas disse que vai ser construída uma rotunda, no ponto de convergência entre o bairro Samacaca, a nova centralidade e a área dimensionada para a auto-construção dirigida no sentido de quem vai para o município do Lucapa.
Sérgio Cunha afirmou que neste momento foram colocadas 80 passadeiras nas diferentes ruas da cidade, sublinhando que a execução da empreitada está a ser realizada de forma faseada, prevendo a sua conclusão para finais do mês de Agosto próximo.
Neste período, disse o técnico, será também concluída a colocação de placas toponímicas e a requalificação da avenida 28 de Agosto, que parte da rotunda do aeroporto, passando pelo largo do Obelisco e termina na rotunda do bairro Norte.
Em Agosto ficam também concluídas as obras da praça doutor António Agostinho Neto, uma obra imponente, que vai transformar-se no cartão postal da cidade do Dundo.
 
A voz dos munícipes
 
Os munícipes consideram que com a conclusão das obras de requalificação das rotundas, avenidas e a praça Dr. Agostinho Neto, a cidade do Dundo passa a ter uma imagem mais digna e confortável.
Manuel Banvu, taxista, louvou o empenho e o esforço do governo da província em reparar as estradas, pontes e vias de acesso, que estão a facilitar a livre circulação de pessoas e viaturas e estão a permitir o desenvolvimento da região.
Alberto Canhinda, jovem moto-taxista de 20 anos de idade, diz que a colocação dos sinais verticais e horizontais nas ruas da cidade do Dundo vai ajudar a diminuir os índices de acidentes que ocorrem diariamente, por incumprimento das regras de trânsito. O jovem afirmou que é uma inovação a nível da cidade do Dundo, mas é preciso que os utentes de viaturas, sobretudo moto-taxistas, se habituem a respeitar os sinais verticais e horizontais colocados nas diferentes ruas.
Maria Madalena, de 41 anos de idade, peã, mostrou-se satisfeita e encorajou o governo da Lunda-Norte, pela forma como tem assegurado o processo de requalificação da cidade Dundo, o que está a torná-la mais moderna e atractiva, com passadeiras nas ruas, que antes não existiam, que garantem segurança para os peões.
Dona Madalena disse que as sinaléticas verticais e horizontais, neste caso os semáforos e as passadeiras, vão ajudar a diminuir os índices de atropelamentos, apesar de muitos utentes das estradas continuarem a desrespeitar os sinais.
“Ainda na semana passada assisti um cidadão a ser atropelado por um moto-taxista, quando tentava atravessar a rua no meio da passadeira. O moço que conduzia a moto nem sequer parou para deixar passar o peão e logo foi por cima dele”, desabafou.

Novo mercado municipal

No quadro dos projectos de desenvolvimento da província, a cidade do Dundo vai igualmente a partir do mês de Agosto ganhar um novo e moderno mercado municipal. A obra, a cargo da empresa 7 Cunhas, faz parte do Programa de Investimentos Públicos (PIP) do governo provincial e visa melhorar a oferta dos serviços sociais básicos à população, sobretudo comerciantes, que até ao momento trabalham em condições precárias, provocando também a fuga ao fisco.
O Jornal de Angola apurou junto do director da obra que o projecto, iniciado em Outubro do ano passado, fica pronto ainda este mês.
Segundo António Gomes, o novo mercado municipal está a ser erguido numa área total de 4.200 metros quadrados e possui duas naves com 120 bancadas.
O empreendimento, disse António Gomes, dispõe de uma área comercial, armazéns, 12 casas de banho, refeitório, escritório, área de segurança, parque de estacionamento com capacidade para 100 viaturas, além de serviços de água canalizada, energia eléctrica e um matadouro, destinado a comercialização de carne.
A construção do novo mercado da cidade do Dundo permitiu a criação de 40 postos de trabalho, dos quais 39 nacionais e um expatriado. As autoridades locais estudam a possibilidade de colocar balcões de agências bancárias e um posto médico no local.

Tempo

Multimédia