Províncias

Circulação entre as regiões mais facilitada

Isidoro Samutula | Cahata

As obras de reposição das pontes sobre os rios Lóvua e Luxico, na estrada que liga os municípios de Lucapa e Cuilo, vão ficar concluídas no final deste ano, garantiu o responsável de obras da construtora Odebrecht.

Trabalhos decorrem a um ritmo acelerado
Fotografia: Isidoro Samutula

Agilio Campos disse que decorrem trabalhos de colocação das 38 estacas no rio Luxico, sendo 19 em cada margem, para assegurar a fundação da ponte, com 40 metros de profundidade.
O responsável das obras explicou que a fase seguinte vai consistir na colocação das sapatas, da estrutura metálica e do tabuleiro em betão armado, assente sobre vigas metálicas.
A ponte, segundo o técnico da construtora brasileira, tem 30 metros de comprimento e dez de largura. A conclusão desta infra-estrutura vai permitir a ligação entre os municípios do Lucapa e Cuilo, interrompida há mais de 30 anos, devido à guerra.
Agilio Campos referiu que a empreitada empregou cerca de 20 trabalhadores angolanos dos municípios de Lucapa e Cuilo.
Quanto à ponte sobre o rio Lóvua, que serve de ligação entre a comuna de Lóvua, no município do Chitato, e a comuna de Capaia, no município do Lucapa, Agilio Campos prevê a sua conclusão dentro dos prazos contratuais. ‘’Estamos a trabalhar para concluirmos a ponte em Dezembro deste ano”, disse, mostrando-se optimista quanto ao reinício da circulação rodoviário entre a comuna do Lóvua e a localidade do Cahata, na comuna do Capaia.
A ponte sobre o rio Lóvua, de acordo com o empreiteiro, vai ter 26 estacas, com uma profundidade de 20 metros, três vigas metálicas, sendo uma central de 30 metros e duas de 12 metros, o que corresponde a 54 metros de comprimentos.
Toda a estrutura de betão armado e as fundações estão concluídas, prevendo-se para o mês de Outubro o lançamento das vigas metálicas e tabuleiros. Para além das duas pontes, a empresa Odebrecht está a reabilitar o troço Cahata-Lóvua, com 86 quilómetros.
O responsável das obras disse que já estão asfaltados cerca de 30 quilómetros e os restantes 56 quilómetros estão a ser terraplenados. A estrada tem nove metros de largura, sendo três metros e meio de rodagem para cada faixa e um metro de berma. Agilio Campos explicou que a empresa está a construir a estrada de acordo com os pressupostos internacionais, de modo a garantir u­ma maior durabilidade. A questão das valas de drenagem, segundo Agilio Campos, também foi salvaguardada, estando a ser construídos sistemas de desvios das águas fluviais ao longo da estrada.
A estrada nacional 225 tem cerca de 550 quilómetros e a sua construção envolve a montagem de 30 pontes, o que vai permitir a ligação da cidade do Dundo, capital da Lunda-Norte, aos municípios do Cuilo, Caungula, Cuango e Xá-Muteba.

Tempo

Multimédia