Províncias

Começou construção de hospital

Armando Sapalo | Luó

Os serviços sanitários na localidade do Luó, município do Lucapa, província da Lunda Norte, foram reforçados, com a inauguração de um novo centro de saúde e a entrega de uma ambulância pelo governador provincial, Ernesto Muangala.  

Novo hospital está a ser construído junto da futura centralidade do município do Lucapa
Fotografia: www.jaimagens.com

Construído com fundos públicos, no âmbito do Programa Municipal Integrado de Redução à Pobreza, a infra-estrutura custou aos cofres de Estado 26 milhões de kwanzas.
A unidade sanitária da localidade do Luó vai dar assistência médica e medicamentosa a 5.300 habitantes da circunscrição.
O director municipal da Saúde do Lucapa, Silvestre Henriques, informou que o centro, com capacidade de internamento de dez camas, dispõe de serviços de banco de urgência, consultas pré-natal, planeamento familiar, maternidade, pediatria, farmácia e áreas auxiliares como cozinha, refeitório e lavandaria.
Com o funcionamento do novo centro médico do Luó, disse, os habitantes deixam de percorrer longas distâncias em busca de cuidados primários de saúde.
A unidade sanitária conta com seis enfermeiros e um grupo de médicos que efectuam consultas ambulatórias nas zonas distantes da sede municipal do Lucapa. Internamente foram criadas condições de acomodação para os profissionais da saúde. O director da Saúde confirmou a ampliação do Hospital Municipal que vai elevar a sua capacidade de internamento de 160 para 175 camas e o apetrechamento com meios modernos de diagnóstico. Silvestre Henriques anunciou a construção de um novo hospital municipal junto das futuras centralidades do Lucapa, com capacidade de 90 camas, cujas obras começaram em Dezembro do ano passado.  A descentralização financeira, no âmbito do Programa de Municipalização dos Serviços de Saúde, permitiu o aumento na localidade de dez unidades, entre as quais um hospital de referência, três centros e seis postos de saúde.
A grande preocupação de momento tem a ver com a falta de médicos e enfermeiros e actualmente os serviços de Saúde são assegurados por 89 profissionais, entre médicos e enfermeiros.

Tempo

Multimédia