Províncias

Conselho aos jovens na voz da experiência

João Silva | Dundo

A luta pela igualdade de direitos e oportunidades entre os homens e as mulheres, no âmbito da política do género implementada pelo Executivo angolano, está a ganhar corpo a cada dia que passa na província da Lunda-Norte. Trata-se de uma aposta que vem sendo conquistada com o empenho das mulheres nos estudos, superação académica, na alfabetização, nos sectores produtivos, políticos, económicos e sociais.

Maria da Conceição Cazuazua empenha-se na luta para a emacipação da mulher
Fotografia: Benjamim Cândido

A luta pela igualdade de direitos e oportunidades entre os homens e as mulheres, no âmbito da política do género implementada pelo Executivo angolano, está a ganhar corpo a cada dia que passa na província da Lunda-Norte. Trata-se de uma aposta que vem sendo conquistada com o empenho das mulheres nos estudos, superação académica, na alfabetização, nos sectores produtivos, políticos, económicos e sociais.
Nesta luta pela conquista de espaço e igualdade de direitos e oportunidades de exercer cargos de direcção nos mais variados sectores da vida, muitas mulheres nesta província, com o seu saber, dedicação e sacrifício, estão a conseguir aos poucos inserir-se no processo de crescimento da Lunda-Norte, exercendo funções directivas a todos os níveis da vida social, económica e política.
O Jornal de Angola traz a estampa o exemplo da senhora Maria da Conceição Cazuazua, de luta pela valorização do género, porque carrega uma vasta experiência como mulher política, responsável e empresária.
Maria da Conceição Cazuazua ocupou cargos governativos a nível da província, como directora da Família e Promoção da Mulher, administradora municipal do Chitato e do Cambulo, vice-governadora para a Área Técnica e Serviços Comunitários, actualmente segunda secretária provincial do MPLA e presidente da Assembleia geral da União dos Camponeses Angolanos.
Segundo a tia São, como é carinhosamente chamada, as mulheres da Lunda-Norte já estão dentro da política do género e por isso muitas exercem cargos de directoras, administradoras municipais e comunais, dirigentes religiosas e responsáveis nos variados campos da vida socioprofissional, “e esse é o meu exemplo”, referiu.
Na sua óptica, entre os grandes segredos para se ser bom dirigente, estão a humildade, não ser arrogante, planificação e respeito para com os colegas de trabalho, acrescidos à conciliação dos deveres e obrigações profissionais com as exigências domésticas, académicas e produtivas. Diante dessa luta para a emancipação da mulher, Maria da Conceição Cazuazua caracterizou a província da Lunda-Norte como estando também a atingir desenvolvimento reconhecível, uma vez que as mulheres estão permanentemente a lutar contra o tabu e a quebrar paulatinamente as diferenças que as separavam dos homens.
“As mulheres com competência também devem ser líderes e ocupar cargos em instituições públicas ou privadas, a nível da religião e mais, a título de exemplo estou aqui eu”, disse. Durante o tempo em que Maria da Conceição Cazuazua, ou simplesmente tia São, vem exercendo cargos políticos e administrativos, afirmou ter encontrado enormes contratempos, sobretudo problemas de complexo de superioridade da parte de alguns homens que a rodeavam, que apresentavam dificuldades em aceitá-la.
“Com humildade e diálogo permanente, soube sempre ultrapassar esses preconceitos machistas, removendo constrangimentos, por forma a continuar a dar o meu contributo no dirigismo feminino e nas tarefas de desenvolvimento da província”, frisou. Na sua trajectória como dirigente, Maria Cazuazua já foi distinguida pelo MPLA, com as medalhas de mérito 17 de Setembro, Deolinda Rodrigues e os 50 anos de carreira política, considerados os momentos mais altos da sua vida profissional.
Questionada se se sente realizada e ter feito tudo na sua vida, com esse leque de cargos e responsabilidades que vem assumindo, a tia São, que nasceu há 56 anos, sem conhecer os avós maternos e paternos, revelou ainda que falta assistir e concluir a formação académica e profissional dos filhos, do primeiro neto e trabalhar para a sua reforma.
Ela acredita que, com as poucas forças psíquico físicas que ainda tem, vai continuar a trabalhar para contribuir para o desenvolvimento da província e transmitir a sua experiência a reencontrar amor, fraternidade e o bem-estar social.
Apelou as mulheres da Lunda-Norte e do país para o seu engajamento sem desistência e nem esmorecer o sonho de levar avante a luta para a conquista de igualdade de direitos e oportunidades a todos os níveis.
Sobre a situação da violência contra as mulheres, abusos de crianças por parte dos adultos, prostituição e delinquência juvenil, o fenómeno HIV-SIDA entre outros males, a dirigente apelou os jovens no sentido de cessarem com esses tipos de comportamentos que levam a destruição total do homem.
Conceição Cazuazua é de opinião que muitos maus comportamentos apresentados pelos jovens são aprendidos na rua e nas más companhias, porque eles deixam a casa de manhã para ir à escola, e quando voltam a casa os pais desconhecem por onde terão andado e com quem estiveram.
Apelou igualmente aos pais a prestarem uma educação condigna aos filhos, assumindo de facto a responsabilidade como progenitores, para que o país tenha homens e mulheres com valores e personalidade próprios e positivos.
A dirigente considerou como “perigo eminente” as práticas indecorosas de alguns jovens que imitam usos e costumes de outros países e povos que são prejudiciais para o nosso meio social, com consequências negativas na preservação da nossa identidade cultural e social, apelando deste modo “as Igrejas, as famílias, as escolas e a sociedade para o resgate dos valores éticos e morais perdidos, para que a juventude reencontre o caminho certo para o país que queremos erguer”.
No âmbito dos 34 anos de existência da província da Lunda-Norte, celebrados a 4 de Julho, Maria da Conceição Cazuazua diz sentir-se orgulhosa pelo facto da província apresentar um bom nível de desenvolvimento, nos últimos dez anos de paz, com a construção de infraestruturas de impacto social, para a melhoria das condições de vida das pessoas.

“Temos uma província estruturada, com grandes obras de construção civil, reparação de infraestruturas destruídas durante o conflito armado, até a altura da conquista da paz, e neste momento, pode-se andar de um lado para o outro sem grandes problemas”, pontualizou.

Perfil

Nome Completo: Maria da Conceição Cazuazua.

Idade: 56 anos.

Habilitações literárias: Curso Médio de Linguística.

Tempos livres: Gosta de ir à lavra, cozinhar uma boa kizaca, ouvir um bom louvor para tranquilizar a energia negativa carregada durante a semana.

Cor preferida: Qualquer cor que me fica bem, tirando o vermelho berrante.

Tem filhos:Tenho oito filhos consanguíneos, dois adoptivos e quatro netos.

Prato preferido: Funge com kizaca. Música que gosta de ouvir: louvores religiosos.

Gosta de desporto: Sim, a modalidade de basquetebol.

Figura pública que admira: Dilma Roussef, a Presidente do Brasil.

Tempo

Multimédia