Províncias

Construção de habitação social em todas as sedes municipais

Victorino Matias |Dundo

O vice-governador da Lunda-Norte para área Técnica e Infra-estruturas anunciou, na quarta-feira, na cidade do Dundo, que, este ano, vão ser construídas, nas sedes municiais, 200 casas, no âmbito do Programa Nacional do Urbanismo e Habitação.

Os materiais de construção são adquiridos nos centros logísticos da província
Fotografia: Jornal de Angola

O vice-governador da Lunda-Norte para área Técnica e Infra-estruturas anunciou, na quarta-feira, na cidade do Dundo, que, este ano, vão ser construídas, nas sedes municiais, 200 casas, no âmbito do Programa Nacional do Urbanismo e Habitação.
Lino dos Santos, que falava num seminário sobre “métodos e procedimentos para a implementação com êxito do programa de autoconstrução dirigida”, disse que as casas vão ficar nas reservas fundiárias já existentes em todos os municípios da província.
Os 200 fogos habitacionais estão inseridos no projecto nacional de autoconstrução dirigida.
“O governo predispõe-se a criar condições técnicas e materiais que vão permitir que os beneficiários possam concluir a construção das casas num prazo mínimo de dois meses”, afirmou.
O representante do grupo técnico da Comissão Nacional para a Implementação do Programa de Urbanismo e Habitação, Joaquim Ismael, referiu durante o seminário que as casas vão ser construídas em 124 municípios do país.
O programa, declarou, é executado com materiais de construção adquirido nos centros logísticos, o que permite a edificação de casas em todas sedes de província.
Com esta medida, frisou, o Executivo pretende que os beneficiários tenham acesso facilitado a casa própria e que os preços estejam ao alcance do cidadão comum. Os governos provinciais, através das administrações municipais, devem criar mecanismos de acompanhamento e fiscalização dos projectos de autoconstrução dirigida e garantir o surgimento de serviços sociais e de saneamento básico nas áreas seleccionadas para a execução do programa habitacional.
Concluído loteamento de reserva fundiária no Chitato.
Os técnicos do Instituto de Ordenamento do Território e Urbanismo na Lunda Norte terminaram, na quarta-feira, os trabalhos de loteamento das reservas fundiárias do Chitato-I, no bairro Samaca, na cidade do Dundo. O chefe do departamento provincial do Ordenamento do Território e Urbanismo, Diogo Manito, garantiu que a conclusão da fase de loteamento permite realizar no Cacimbo o processo de atribuição das parcelas de terrenos, evitando que o capim volte a crescer no local, quando começarem as chuvas.
A reserva fundiária do Chitato-I, com 130 hectares, já totalmente desmatada, destina-se à construção de 1.430 fogos habitacionais e infra-estruturas sociais, económicas e administrativas.

Tempo

Multimédia