Províncias

Criado no Dundo um centro para controlo de cães e gatos

Armando Sapalo| Dundo

 Um centro para captura e controlo de cães e gatos vadios foi inaugurado quinta-feira, na cidade do Dundo, província da Lunda-Norte, pelo governador Ernesto Muangala. O centro foi inaugurado no quadro das comemorações do 35º aniversário da fundação da Lunda-Norte, assinalado na quinta-feira.

O director provincial da Agricultura, José Mendes, disse que o centro está projectado para garantir o controlo e a captura de cães e gatos vadios. José Mendes salientou que a infra-estrutura possui uma clínica veterinária, sala de conservação das vacinas e jaulas apropriadas, com capacidade para albergar 144 gatos e mais de 30 cães.
O centro, construído com fundos públicos do Governo Provincial da Lunda-Norte, possui ainda um forno crematório, para a incineração dos animais que apresentem estado de saúde crítico.
O director provincial da Agricultura e Desenvolvimento Rural salientou que juntamente com o referido centro foi criada uma área de sanidade animal e esterilização.
José Mendes acrescentou estarem também salvaguardadas as condições de logística, para a ração dos animais a serem capturados.
O responsável salientou que, numa primeira fase, o canil/gatil da província da  Lunda-Norte contempla o município do Chitato.
Segundo José Mendes, as demais localidades vão aguardar pela mobilização de recursos, com vista a construção de novos centros de recolha oficial e tratamento de cães e gatos. A obra de construção do canil/gatil teve duração de cinco meses e foi erguida numa área de 160 metros quadrados, nas imediações do Hospital Sanatório de Sacavula.
A par do reforço da adopção das medidas que visem o controlo do surto da raiva, José Mendes disse que a instalação de canis/gatis contribuirá para a redução do elevado número de animais que deambulam pela cidade. O engenheiro José Mendes salientou que os esforços das autoridades locais têm estado a despertar a sociedade sobre as repercussões negativas da raiva na saúde humana.
Para ele, a construção do centro, para além de ser tarefa do governo, deve ser também responsabilidade dos proprietários dos animais.
“Pretendemos promover uma conduta mais responsável, por parte dos donos dos animais, no sentido de os bichos não se tornarem vadios, causando perigos à saúde pública”, disse. Os Serviços Veterinários apontam que, nos últimos três anos, não foram registados casos de pessoas mordidas por cães raivosos. Os dados avançam ainda que, na campanha contra a raiva, realizada em Agosto do ano passado, foram vacinados um total de cinco mil animais de estimação.

Tempo

Multimédia