Províncias

Economia e Direito com centenas de vagas

Isidoro Samutula | Dundo

A Faculdade de Economia, unidade orgânica da Universidade Lueji A'Nkonde, tem disponíveis, para este ano lectivo, 160 vagas, sendo 40 para o período regular e 120 para o período pós laboral, anunciou ontem, no Dundo, o decano da referida instituição.

A cada ano que passa aumenta o número de técnicos de nível superior à disposição do mercado de trabalho na província da Lunda Norte
Fotografia: Edições Novembro

Kiombo Jean Marie disse que as inscrições, iniciadas no passado dia 3 e que terminam sexta-feira, decorrem a bom ritmo, sublinhando que há muita procura da parte dos estudantes que pretendem ingressar pela primeira vez no ensino superior. O decano lamentou apenas o número reduzido de vagas existentes, que não correspondem com a demanda, em função da falta de salas de aula.
“A nossa intenção é termos um maior número de vagas, mas estamos limitados por falta de salas de aula”, disse Kiombo Jean Marie para quem a escola conta apenas com 11 salas de aula pertences à Escola Superior Pedagógica da Lunda Norte, o que impossibilita a recepção a um maior número de estudantes no primeiro ano.
Kiombo Jean Marie referiu que a falta de salas constitui uma das principais preocupações da faculdade, que pretende abrir novos cursos para que os estudantes tenham mais opções de escolha. O decano disse que o Governo Provincial pretende mandar construir mais dez salas de aula, mas reconheceu que com a presente situação económica e financeira do país, torna-se difícil materializar esta intenção. “Estamos esperançados de que esta situação seja ultrapassada brevemente, para que a população estudantil interessada em seguir a área de economia tenha maior diversidade de cursos”.
Este ano, realçou, a faculdade vai lançar para o mercado de trabalho os primeiros 30 licenciados na especialidade de Economia estando ainda previstas, para o mês de Março, as defesas dos trabalhos de fim de curso de oito grupos constituídos cada um por dois estudantes. Lembrou que a  faculdade já lançou para o mercado de trabalho seis estudantes licenciados na especialidade de gestão de empresas.
Kiombo Jean Marie disse que a nível da Faculdade de Economia existem vários projectos para este ano ligados à formação, sobretudo a criação de um centro de investigação científica e assessoria às empresas.
O decano Kiombo Jean Marie considerou positivo o ano lectivo de 2016, em termos de aproveitamento, graças à cobertura dos docentes em todas as cadeiras, o que facilitou o processo de aprendizagem.
A Faculdade de Economia, acrescentou o decano, conta com 32 professores, todos nacionais, dos quais apenas dois efectivos que garantiram o funcionamento normal do ano lectivo, que contou com 518 estudantes.  
Quanto à absorção no mercado de trabalho dos estudantes que terminaram a licenciatura, o decano explicou que felizmente a maior parte são funcionários públicos e de empresas privadas. Acrescentou que outros são recuperados para fazerem parte do corpo docente da faculdade e do corpo directivo. Por outro lado, a Faculdade de Direito tem 160 vagas para o presente ano lectivo, das quais 40 para o período regular. As aulas vão ser ministradas em 12 salas cedidas pelo Magistério Primário, segundo o vice decano da instituição.
Itamba Bavó acrescentou que espera, para este ano lectivo, um maior número de inscritos do sexo feminino, ao contrário do que tem acontecido nos anos anteriores. “Apesar da falta de infra-estruturas próprias temos formado com qualidade”, disse Itamba Bavó, acrescentando que muitos docentes foram formados na referida faculdade. A Faculdade de Direito, que conta com 30 professores, já colocou à disposição do mercado de trabalho 23 licenciados.

Tempo

Multimédia