Províncias

Empreiteiros vão ser levados a tribunal

João Salvo | Dundo

Os empreiteiros que insistirem em não cumprir os prazos contratuais de execução das obras de construção de infra-estruturas sociais e económicas vão ser levados a tribunal, advertiu no fim-de-semana o administrador municipal adjunto do Chitato (Lunda-Norte).

Várias infrea-estruturas sociais na comuna do Lóva registam atrasos
Fotografia: João Silva| Dundo

Os empreiteiros que insistirem em não cumprir os prazos contratuais de execução das obras de construção de infra-estruturas sociais e económicas vão ser levados a tribunal, advertiu no fim-de-semana o administrador municipal adjunto do Chitato (Lunda-Norte).
Silva Candembe, que falava à imprensa durante o terceiro encontro provincial de balanço dos Programa Municipais Integrados e de Desenvolvimento Rural, admitiu existirem atrasos na execução das obras, por parte de algumas empresas de construção, sem justificação plausível. Como exemplo, apontou o caso da comuna de Lóva, a 75 quilómetros da cidade do Dundo, onde as obras de construção de várias infra-estruturas sociais registam atrasos consideráveis.
No âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural e Redução da Pobreza nas comunidades, Silva Cadembe revelou que a administração municipal do Chitato recebeu uma verba superior a 439 milhões de kwanzas para execução de vários projectos, com destaque para a construção e reabilitação de infra-estruturas sanitárias, instalação das redes de energia eléctrica e água, transportes, saneamento básico e vias de comunicação.
Dos projectos em curso no âmbito do reforço institucional, a administração do Chitato está a construir residências para os quadros e autoridades tradicionais no bairro Caxinde e a reabilitar o edifício, onde vão instalar-se os serviços administrativos.
Das acções, constam ainda a reabilitação do comando comunal do Luachimo da Polícia Nacional e a ampliação do cemitério local.
No domínio da educação, estão a ser construídas 14 escolas para o ensino primário, nos bairros dos quilómetros 14, 15 e 20, na Camatundo, Sachindongo e no sector de Satambue. Está igualmente a ser construída uma escola de alfabetização no mercado municipal.
O sector da saúde foi contemplado com vários projectos que passam pelas várias campanhas de vacinação, a aquisição de diversos materiais e equipamentos para as unidades sanitárias, serviços de manutenção e conservação dos centros médicos e a compra de combustível e lubrificantes para os geradores das unidades sanitárias.
Relativamente à agricultura, pesca e comércio prevê-se a reactivação de feiras agrícolas, enquanto no sector da energia estão a ser instaladas torres de iluminação pública. Em breve, vai ser reabilitada a estrada que liga a sede do município e o bairro-norte, Dundo, numa operação de tapa-buracos.

Tempo

Multimédia