Províncias

Escola Superior no Cuango precisa de mais professores

Armando Sapalo | Dundo

O Instituto Superior Politécnico da Universidade Lueji A´Nkonde, no município do Cuango, província da Lunda-Norte, regista grande falta de docentes, situação que preocupa a direcção da instituição.

A inquietação foi manifestada por Domingos Maiato, director do instituto, para o qual essa carência tem condicionado o curso normal da actividade académica. As aulas no Instituto Superior Politécnico do Cuango, a primeira instituição de ensino superior em funcionamento no interior da província da Lunda-Norte, começaram em 2012, com o curso de pedagogia.
A falta de professores foi apontada pelo responsável como um dos grandes problemas do momento, admitindo que, caso não se encontre uma solução imediata, vai haver sérios transtornos no processo educativo do próximo ano lectivo, sobretudo no terceiro ano, altura em que começam a ser leccionados temas de orientação de trabalhos de acesso ao 4.º ano.
“A falta de docentes arrasta-se desde o ano passado, mas estamos convictos de que o problema venha a ser resolvido, no quadro das parcerias que a reitoria da universidade estabeleceu com o Ministério do Ensino Superior, visando a contratação de novos professores”, disse. O director do Instituto Superior Politécnico do município do Cuango revelou que a instituição tem 11 professores, entre os quais sete nacionais e quatros estrangeiros, de nacionalidade cubana.
Para preencher o quadro de docentes são necessários mais 19, sete dos quais devem possuir o grau de mestrado e quatro outros o grau de doutoramento.

Primeiros quadros em 2016

O instituto prevê colocar, no mercado de trabalho, o primeiro grupo de quadros superiores licenciados na especialidade de pedagogia. Domingos Maiato considerou importante a formação de quadros de nível superior no município do Cuango, argumentando que só assim se pode proporcionar um desenvolvimento científico aos jovens locais que, num futuro breve, vão contribuir para a preparação técnico-profissional dos estudantes nas distintas instituições de ensino médio da região.
O director do instituto anunciou a criação de novos cursos na instituição, como agronomia, informática e construção civil.
“A incorporação de novos cursos depende da criação de condições, sobretudo de recursos humanos e infra-estruturas”, disse, revelando que estão praticamente ultrapassadas as dificuldades de ordem administrativa, porque a escola passou desde o princípio de 2013 a uma unidade orçamentada.

Tempo

Multimédia