Províncias

Estação agrária apoia produção

Isidoro Samatula | Capenda Camulemba

A assistência técnica aos camponeses da Lunda-Norte vai melhorar substancialmente, com a entrada em funcionamento, no fim-de-semana, da primeira Estação de Desenvolvimento Agrário no município do Capenda Camulemba, inaugurada pelo governador Ernesto Muangala.

Governo da Lunda-Norte elaborou um programa para expansão das estações de desenvolvimento agrário em alguns municípios da província
Fotografia: Isidoro Samutula|Capenda Camulemba

O empreendimento, que permite o aumento da produtividade e a diversificação de culturas, vai prestar assistência técnica a 690.930 camponeses da província, subdivididos em 43 associações e 106 cooperativas agropecuárias que, no passado, exerciam a actividade agrícola de forma empírica.
A estação dispõe de um laboratório de análises dos solos, sala de aula para formação dos camponeses, nave para armazenamento e abastecimento de sementes agrícolas, uma oficina e duas residências para os quatro técnicos de nível médio, dos quais três formados recentemente.
O director provincial da Agricultura, José Mendes, disse que o empreendimento vai potenciar o desenvolvimento da agricultura na província, de forma a tornar a actividade uma alternativa à exploração de diamantes, contribuindo para o combate à pobreza, desemprego e bem-estar da população.
José Mendes sublinhou que, com o funcionamento da Estação de Desenvolvimento Agrário (EDA), estão criadas as condições para que os camponeses possam exercer a sua actividade de forma segura, diversificando as culturas nos solos apropriados, garantindo maior produção e melhor qualidade dos produtos.
Aos camponeses, o responsável pediu para colaborarem com os técnicos, de modo a facilitar o trabalho de diagnóstico, essencial para a assistência que se pretende, dando informações sobre o número de pessoas do agregado familiar, dos camponeses, níveis de pro­dução na localidade, rendimento de culturas e a formação dos camponeses. O Governo Provincial elaborou um programa para a expansão das estações de desenvolvimento a­grário em alguns municípios da província, destinado a aproximar a assistência técnica dos camponeses. “Estamos a envidar esforços junto do Ministério da Agricultura para que possamos ter estações de desenvolvimento agrário em três zonas, que compreendem três municípios cada”, disse, admitindo que, desta forma, é possível relançar a actividade agropecuária na totalidade e com a qualidade desejada.
O administrador municipal do Capenda Camulemba, Pedro Blair, realçou os benefícios que a EDA vai proporcionar ao município, que conta com uma população maioritariamente camponesa.
“Este é o começo do desenvolvimento. A produção de uma cultura diversificada e com qualidade está garantida, mas é necessário o empenho de todos para que o nosso município seja uma referência na actividade agropecuária, de modo a cumprir o programa do Executivo de combate à pobreza entre a população”, disse.

Camponeses  da região

Os camponeses prometeram colaborar com os técnicos da EDA, para garantir os níveis de produtividade, diversificarem as culturas e justificarem os investimentos do Governo. “Vamos dar todo o apoio aos técnicos naquilo que for necessário para o desenvolvimento da agricultura na região, realçaram os camponeses em comunicado.
O município do Capenda Camulemba tem diversidade de culturas, com maior realce para a mandioca, milho, batata-doce, tomate e hortícolas, que têm sido produzidos sem conhecimento da qualidade dos solos.
Com a entrada em funcionamento da Estação de Desenvolvimento Agrário passa a ser possível cultivar, sabendo-se de antemão quais os métodos a utilizar para tirar melhor partido da terra. 

Tempo

Multimédia