Províncias

Falta de oportunidade de emprego provoca desistência de candidatos

Isidoro Samutula |Dundo

A falta de absorção no mercado de emprego dos técnicos formados pelas escolas de formação profissionais na província da Lunda-Norte tem levado à desistência de alunos dos cursos técnicoprofissionais.

Muitas mulheres na Lunda-Norte frequentam acções de formação para ter um emprego
Fotografia: Jornal de Angola

A falta de absorção no mercado de emprego dos técnicos formados pelas escolas de formação profissionais na província da Lunda-Norte tem levado à desistência de alunos dos cursos técnicoprofissionais.
A revelação foi feita pelo chefe dos serviços provinciais do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP) da Lunda-Norte, Lopes Muamuhunga. Informou que as empresas sedeadas na província preferem recrutar técnicos nas outras províncias, em vez da mão-de-obra local.
“As empresas que exercem actividades na província não recrutam técnicos formados na Lunda-Norte. Temos muitos finalistas em diversas especialidades à espera de uma oportunidade de emprego”, disse o responsável.
Para inverter a situação, tem encontros marcados com os responsáveis dos recursos humanos das empresas sedeadas na província, com vista a se encontrar mecanismos para ultrapassar o problema.
Lopes Muamuhunga referiu que dos vários técnicos formados, apenas a Empresa Nacional de Electricidade e algumas sociedades mineiras absorveram jovens nos residentes nos municípios do Chitato e Lucapa, nas áreas de electricidade, mecânica e canalização. O chefe dos serviços provinciais do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional disse ainda que caso não haja a absorção dos jovens formados no mercado de trabalho, a adesão à formação profissional na província pode abrandar consideravelmente.
“Os candidatos esperam que depois da formação sejam absorvidos no mercado de emprego, mas com a falta de oportunidades muitos desistem “, desabafou.
 Muitos candidatos pensam que o do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional é uma entidade empregadora, mas na verdade é a instituição que garante unicamente a formação para o emprego.
Apesar disso, afirmou que a procura ainda é maior, principalmente nas especialidades de culinária, electricidade e construção civil. A maioria dos que procuram a formação é constituída por jovens dos 20 aos 35 anos.
Lopes Muamuhunga frisou que a província tem apenas um centro integrado no município de Lucapa e três unidades móveis nos municípios de Chitato, Cuango e no Xá-Muteba. Nestes centros são administradas as especialidades de culinária, electricidade, canalização, carpintaria, construção, contabilidade e gestão, decoração, informática, mecânica auto e secretariado-geral.
Para o êxito da formação, os serviços provinciais do INEFOP da Lunda-Norte, conta com 32 formadores nacionais. Segundo o responsável da instituição, para o presente ano formativo estão a frequentar os cursos, que arrancaram ainda este mês, 737 formandos, dos quais 555 homens e 182 mulheres.

Tempo

Multimédia