Províncias

Fazenda vai dar início à produção avícola

Armando Sapalo

A Fazenda agropecuária de Cacanda, na província da Lunda-Norte, vai começar a produzir ovos, dentro de quatro meses, com vista a permitir a redução da importação de produtos avícolas e melhorar a dieta alimentar das populações locais.

Produção de ovos e galinhas evita que habitantes recorram a bens importados para cobrir dieta alimentar
Fotografia: Jornal de Angola

A Fazenda agropecuária de Cacanda, na província da Lunda-Norte, vai começar a produzir ovos, dentro de quatro meses, com vista a permitir a redução da importação de produtos avícolas e melhorar a dieta alimentar das populações locais.
O gerente da Agricultava, empresa encarregue da reabilitação do projecto, Nissim Menahem, anunciou na quinta-feira o facto, no Dundo, durante o acto de recepção do primeiro lote de pintos, destinados à produção de ovos e à criação de aves para o fornecimento de frangos a nível do mercado da região leste do país.
Explicou que chegaram à província, numa primeira fase, um total de 10.360 pintos adquiridos ao Malawi. Os bichos foram encaminhados para os aviários da fazenda de Cacanda, onde as condições de conservação estão devidamente salvaguardadas.
O técnico, de nacionalidade israelita, revelou-se tamém preocupado com os ovos que são consumidos a nível da província, devido à sua forma de conservação.
 Garantiu que esta pode mudar, uma vez que as referidas aves foram acompanhadas de uma porção de meios veterinários, com destaque para duas caixas de vacinas.
 Alertou para a necessidade de se redobrarem as medidas de conservação e controlo do desenvolvimento físico dos pintos, pelo facto de serem vulneráveis à mortalidade nos seus primeiros dias de vida.
As formas mais eficazes de conservar estas aves residem no controlo rigoroso da temperatura da nave em que se encontram, que ­deve, no máximo, ser de 35 graus, a par de uma alimentação adequada.
O avicultor afirmou ser suficiente a quantidade de ração disponível no centro logístico da fazenda para assegurar a alimentação dos pintos, tendo em conta que estão reservados cerca de 250 hectares de terra para a produção de cereais, como milho e soja, com vista ao fabrico de ração a partir da fazenda.
O responsável da empresa israelita avançou que o projecto agropecuário de Cacanda conta com 12 naves com capacidade para 25 mil pintos cada e vão produzir, anualmente, cinco milhões de ovos. Este projecto vai ajudar a proporcionar uma oferta satisfatória no mercado daquela região e não só.


Relançar a actividade avícola

A consultora da direcção provincial da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pesca, Elisabeth Conde, considerou que a chegada dos primeiros pintos à fazenda de Cacanda é o ponto de partida do compromisso assumido pelas autoridades angolanas, tendente ao relançamento da actividade avícola naquela região.
 A também médica veterinária sublinhou que a concretização do projecto de criação de aves a nível local vai permitir o consumo de produtos avícolas, com qualidade recomendada, e reduzir certas doenças provocadas por produtos alimentares importados.
Além disso, vai incentivar o surgimento de pequenos e médios criadores de aves, contribuir para a diversificação da economia e para o êxito dos programas de combate à fome e à pobreza no seio das populações, disse Elisabeth Conde.
Anunciou a formação técnica e profissional dos agricultores e criadores de animais, que vão ainda ser integrados numa rede comercial.
A consultora Elisabeth Conde anunciou a chegada, nos próximos dias, à província, de um total de 250 cabeças de gado bovino, das mil previstas num projecto para a criação e produção da carne, a partir do matadouro da fazenda.
Considerado o maior projecto agropecuário da região, a fazenda de Cacanda é uma parceria público-privada, entre o Executivo, através do Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pesca, e o grupo israelita LR, que é especializado em actividades deste sector.
Avaliado em 29 milhões de dólares, o projecto Cacanda, na sua fase final, vai proporcionar mil empregos directos e três mil indirectos para cidadãos nacionais.

Tempo

Multimédia