Províncias

Feira revela potencialidades agrícolas

Victorino Matias | Dundo

Camponeses organizados em associações e cooperativas agrícolas dos dez municípios da província da Lunda Norte participam, desde sexta-feira, na primeira edição da Feira dos Municípios, no Dundo, disse, ontem, Luís Munana, administrador da Expo Cacanda.

A feira é uma oportunidade para a venda de vários produtos agrícolas como a mandica que é produzida em grande escala
Fotografia: Joaquim Manuel Aguiar

A feira é realizada no âmbito das comemorações dos 37 anos da criação da província da Lunda Norte, assinalado no dia 4 de Julho, e junta mais de 200 expositores, entre comerciantes, empresas agrícolas, produtores rurais individuais, agricultores familiares e quitandeiras.
O evento permite a interacção e troca de experiências entre os expositores, mostra as potencialidades agrícolas da região, estabelece parcerias e definir mercados para a venda dos produtos agrícolas, explicou Luís Munana, que disse esperar que a feira seja uma oportunidade para a venda de  produtos agrícolas, como a mandioca, tubérculo produzido em grande escala na região, batata-doce, milho, feijão, inhame e hortícolas.
O administrador municipal do Chitato, José Alberto dos Santos Rosa, que representou o governador provincial, Ernesto Muangala, disse que o crescimento dos níveis de produtividade local, nos últimos tempos, resulta de um maior empenho dos agricultores que, não obstante as dificuldades, se mostram disponíveis em aliar-se aos esforços do Governo para a redução da fome nas comunidades.
José dos Santos Rosa destacou a importância da promoção de iniciativas que visam congregar dos agentes comerciais e produtores para reflectirem sobre a necessidade de se diversificar a economia e a geração de postos de trabalho no seio da juventude.
O administrador apontou o apoio técnico e material aos camponeses como o ponto de partida para o êxito dos programas de combate à fome e à pobreza no seio das populações e reafirmou o compromisso das autoridades da província em continuar a prestar apoio aos camponeses, para desempenharem o seu papel no fortalecimento e na diversificação das culturas.
A melhoria das condições de circulação proporciona a implementação de muitas acções de apoio e incentivo às actividades do campo, para que num futuro próximo se pense em projectos de desenvolvimento agro-industriais e rurais sustentáveis, concluiu José dos Santos Rosa.

Oportunidades de negócios


Afonso Sangano, agricultor no recém-criado município do Lôvua, disse que a feira é uma excelente oportunidade para vender os produtos, que muitas vezes chegam a ­deteriorar-se por falta de mercado específico para o seu escoamento. Afonso Sangano explicou que a sua cooperativa trabalha com mais de 30 famílias de camponeses e cada uma dispõe de uma área para o desenvolvimento de  culturas e além da cultura de mandioca, aposta-se agora na produção de hortícolas  para os mercados da cidade do Dundo.
“É importante que o governo continue a apoiar os camponeses para que possamos desenvolver as nossas actividades no campo”, defendeu Afonso Sangano, mostrando-se preocupado com os atrasos significativos que se registam na concessão do crédito agrícola de campanha aos camponeses.
O agricultor Afonso Sangano defendeu a necessidade de se investir numa “agricultura mecanizada”, para se alcançarem resultados ­positivos, com a oferta de variedade de produtos, para reduzir a importação de bens alimentares.
Rogério Culiva, da cooperativa Kuliva, no município do Cuango, elogiou os projectos do Executivo que visam a concessão de créditos agrícolas aos camponeses, “porque permite aumentar as áreas de cultivo, através da utilização de meios agrícolas modernos”.
O agricultor instou as autoridades a prestarem ajuda financeira aos camponeses para estes assumirem o papel de parceiros do Executivo na luta contra a redução da fome e pobreza na sociedade angolana.
“Nós estamos preocupados com os atrasos na concessão do crédito que solicitámos, porque já cumprimos todas as obrigações impostas pelo Banco”, concluiu o agricultor Rogério Culiva.

Tempo

Multimédia