Províncias

Garantido apoio aos camponeses

Armando Sapalo e Benjamim Cândido| Dundo

O governador provincial da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, garantiu, durante uma jornada de campo na fazenda Lamaf, no Dundo, que vai reforçar o apoio aos agricultores locais, para aumentarem os níveis de produção.

Governador da Lunda-Norte Ernestro Muangala aquando da visita a fazenda Lamaf
Fotografia: Benjamin Cândido|Dundo

O governador provincial da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, garantiu, durante uma jornada de campo na fazenda Lamaf, no Dundo, que vai reforçar o apoio aos agricultores locais, com tractores, charruas, catanas, machados, sementes e fertilizantes, para aumentarem os níveis de produção.
Ernesto Muangala salientou que o seu governo vai imprimir maior dinamismo à resolução das dificuldades que os agricultores locais enfrentam, para o relançamento do sector e diversificação da economia local.
Segundo anunciou, os agricultores vão receber em Abril financiamentos bancários, no quadro do crédito agrícola aprovado pelo Executivo em 2010, o que vai permitir aumentar e diversificar a actividade agropecuária. Nesse sentido, incentivou os agricultores a criarem projecto ambiciosos que contribuam para os esforços do Executivo de combater a fome e a pobreza, criar postos de trabalho e aumentar os níveis de produtividade, para uma oferta satisfatória de produtos no mercado local. 
Anunciou, igualmente, a realização da terceira edição da feira agropecuária da Cacanda, na segunda semana do mês de Agosto, com a participação de agricultores de várias regiões do país com larga experiência no sector, para transmitirem a sua experiência de planeamento de projectos agrícolas sólidos e auto sustentáveis.
 Para o governador, este certame será uma oportunidade “para os nossos agricultores firmarem parcerias e assessoria técnica dos programas a serem implementados a nível da província”.
A fazenda agropecuária do Lamaf fica a 15 quilómetros da cidade do Dundo, ocupa uma área total de 40 hectares, nove dos quais já desbravados. Sete hectares estão reservados para o cultivo da mandioca e os restantes dois para a plantação de arroz e hortícolas. Segundo Lazaro Manuel, proprietário da fazenda, o projecto teve início em meados do ano passado, com um investimento inicial orçado em mais de 150 mil dólares, tendo, numa primeira fase, proporcionado 15 postos de trabalho.
Para além da actividade agrícola, Lázaro Manuel disse que vai desenvolver a pecuária, para produção de carne de abate, contando com 50 cabeças de gado bovino e prevendo aumentar o número de gado nos próximos meses. Além do governo da província, do qual recebeu um tractor no ano passado, Lazaro Manuel disse contar também com a parceria da Mecanagro, que tem prestado apoio no fornecimento de materiais agrícolas, sementes e fertilizantes.
Neste momento, referiu, a sua empresa estuda mecanismos para estabelecer contactos com agricultores de outras regiões do país, como Huíla, Bié, Namibe e Huambo, para ajudar na assessoria técnica dos seus projectos e fornecimento de animais, com destaque para o gado bovino, e aumentar a capacidade de oferta local.
Reconheceu que o programa do governo angolano que visa a cedência de crédito aos agricultores é um grande incentivo para aumentar os níveis de produtividade e contribuir para o combate à fome à pobreza, defendendo mais apoios aos empresários locais.
O agricultor considera que a melhor forma de aumentar os níveis de produção local passa também pela reabilitação das vias de comunicação que ligam o campo à cidade, para facilitar os mecanismos de escoamento de produtos para os mercados da região.
Além disso, assegurou que os empresários locais, sobretudo do ramo da agropecuária, têm a responsabilidade moral de se aliarem aos esforços do Executivo, diversificando a economia, para que a região deixe de depender exclusivamente dos diamantes.

Tempo

Multimédia