Províncias

Hospital Central do Dundo pretende melhorar serviços

Armando Sapalo |Dundo

A verba mensal destinada ao hospital central do Dundo é aumentada, em Março, de oito milhões para 54 milhões de kwanzas, anunciou, ontem, naquela cidade, o governador provincial.

Para dar maior dignidade aos serviços de saúde na região as unidades sanitárias de referência estão a beneficiar de obras
Fotografia: Armando Sapalo

A verba mensal destinada ao hospital central do Dundo é aumentada, em Março, de oito milhões para 54 milhões de kwanzas, anunciou, ontem, naquela cidade, o governador provincial.
Ernesto Muangala, que fez o anúncio após visitar o hospital central do Dundo, disse que o aumento da verba é uma iniciativa do governo provincial, em coordenação com as estruturas centrais.
O hospital vive algumas dificuldades relacionadas com a falta de equipamentos modernos de diagnósticos e quadros especializados, sobretudo nas áreas de anestesia e oftalmologia.
Para dar maior dignidade aos serviços de saúde na região, afirmou o governador, as unidades sanitárias de referência na província, estão a beneficiar de obras.
O governador também anunciou que vão ser adquiridas, já este ano, nove clínicas móveis, construído um laboratório de análises clínicas e um hospital materno-infantil.
Isto, referiu, além de uma unidade sanitária que está a ser erguida na centralidade do Dundo, com capacidade para 92 camas.
O governador Ernesto Muangala prometeu que o sector da saúde vai dispor de serviços que não há na região, entre os quais os de urologia e de hemodiálise.

Direcção do hospital satisfeita

O director-geral do hospital central do Dundo afirmou que o aumento da verba a atribuir à unidade sanitária constitui o ponto de partida para uma melhor organização interna e vai minimizar as dificuldades que o hospital tem, sobretudo falta de meios e de equipamentos de diagnóstico no laboratório de análises clínicas.
A falta de equipamentos de diagnóstico e de quadros especializados, aliada ao avançado estado de degradação do edifício, disse Gimi Nhunga, tem impedido uma melhor assistência médica.
As obras de reabilitação e ampliação do hospital, declarou, vão beneficiar, entre outros serviços, o banco de urgência, o bloco operatório e o centro de hemoterapia.
A fase seguinte das obras de reabilitação prevê a abertura de uma segunda sala no bloco operatório.
Doenças respiratórias agudas, malária e febre tifóide são as que com maior frequência levam pessoas ao hospital.
O Hospital Central do Dundo, inaugurado há mais de 95 anos, tem 22 médicos e 150 enfermeiros. Dispõe de duas ambulâncias e de uma viatura de apoio logístico.

Tempo

Multimédia