Províncias

Hospital Central mobilizado durante as festas

Armando Sapalo| Dundo

O Hospital Central do Dundo, tem criadas as condições para proporcionar uma assistência médica à altura durante a quadra festiva, deu a conhecer o governador da província, no fim de uma visita à maior unidade sanitária da província.

Direcção do hospital garante estarem criadas condições técnicas e humanas para prestação de uma boa assistência durante as festas
Fotografia: Benjamin Cândido

Ernesto Muangala garantiu que está assegurado o abastecimento de medicamentos e material gastável, estão constituídas as equipas clínicas, sobretudo para o banco de urgência e serviços cirúrgicos, no sentido de ser prestada uma assistência eficiente às pessoas que acorrerem ao hospital. 
O governador da Lunda Norte recebeu garantias da direcção do Hospital Central e de outras instituições sanitárias do Dundo de que há total disponibilidade em apoiar os serviços de urgência, asseguramento do fornecimento de energia eléctrica, água e transportes.
“Recebemos garantias de que há equipas preparadas e medicamentos para que o Hospital Central e a rede sanitária da periferia possam fazer face a todas situações e garantir uma assistência condigna aos doentes”, afirmou.
Satisfeito com o nível de preparação do Hospital Central da capital da província, Ernesto Muangala sublinhou o apoio das autoridades administrativas locais para reforçar a capacidade logística e qualidade do sistema de saúde, a aproximação dos serviços sanitários das populações. 
Além de constatar os níveis de preparação para a quadra festiva, o governador provincial avaliou a execução da primeira fase das obras de reabilitação e ampliação do Hospital Central do Dundo, que começaram em Março de 2013. A segunda fase das obras arranca em Março do próximo ano, altura em que são transferidos os doentes para o Hospital Geral David Bernardino Camanga, unidade sanitária com 150 camas para internamento, construído na centralidade do Dundo. O seu patrono, David Bernardino, médico natural do Huambo, começou a carreira profissional no Dundo, aquando concluiu uma especialização em saúde pública. As comunidades apreciavam-no tanto que lhe puseram o nome de “Camanga”. Mais tarde abriu uma rede de centros de saúde nos bairros pobres da cidade do Huambo e dedicou toda a sua vida ao combate à saúde materna e infantil. Foi assassinado pela UNITA à porta de um dos consultórios onde trabalhava gratuitamente.

Centralidade do Dundo

 Nesse momento, as autoridades locais estão a trabalhar com a imobiliária IMOGISTIN, responsável pela gestão dos novos projectos habitacionais do Executivo, para a conclusão do apetrechamento do hospital,  até ao primeiro trimestre de 2015.
“ Estamos a trabalhar com a Imogestin no sentido de concluirmos o apetrechamento do Hospital Geral da Centralidade do Dundo, para permitir a transferência dos doentes e começarmos com a segunda fase das obras do Hospital Central do Dundo”, explicou Ernesto Muangala.
O director-geral do Hospital Central do Dundo, José Gimi, disse ao Jornal de Angola, que a primeira fase das obras de reabilitação beneficiaram, entre outros serviços, o banco de urgências, o laboratório de análises clínicas, o bloco operatório, centro de hemoterapia e ampliação das áreas da pediatria e maternidade.
A próxima fase, disse, prevê a intervenção total nas salas de internamento, cujas obras vão permitir o aumento da capacidade de internamento de 100 para 240 camas. As obras estão a ser feitas de forma faseada.                
A intenção, disse, é melhorar cada vez mais as condições de trabalho e de atendimento aos pacientes. A formação e actualização contínua dos técnicos está a ser tida em consideração, por constituir um factor determinante para a melhoria dos serviços prestados.
O corpo clínico do Hospital Central do Dundo, disse o director-geral, é composto por 24 médicos e 165 enfermeiros.

Tempo

Multimédia