Províncias

Hospital concluído em Outubro

Victorino Matias | Dundo

A rede sanitária da província da Lunda Norte vai ser reforçada, com a entrada em funcionamento a partir do mês de Outubro, de mais uma unidade hospitalar no município do Cuilo, no quadro da melhoria da assistência médica e medicamentosa à população.

Obras no novo hospital da Lunda Norte foram visitadas pelo governador Ernesto Muangala que disse estar satisfeito com os trabalhos
Fotografia: Benjamim Cândido

O dado foi apurado a partir do responsável da empresa de fiscalização de obras, a BDM, Wandelson dos Santos, durante uma visita que o governador provincial, Ernesto Muangala, efectuou ao município do Cuilo. Wandelson dos Santos disse que o hospital municipal do Cuilo vai ter capacidade para 40 camas e ser apetrechado com equipamentos modernos de diagnóstico, raio X e um bloco operatório.
O responsável destacou outras valências como as salas de pré-parto, parto e pós-parto, serviços de vigilância epidemiológica, higienização, pediatria, farmácia e de atendimento ambulatório. Os serviços de enfermaria vão contar com salas de tratamento, desinfestação, esterilização, além de áreas específicas para enfermeiros e médicos. Está projectada igualmente uma morgue e a área administrativa.
O responsável de fiscalização das obras do hospital municipal do Cuilo esclareceu que já estão concluídos todos os pormenores do edifício principal, estando, neste momento, a ser construídos os sistemas de bombagem e de tratamento de água, com o respectivo reservatório, para casos de incêndio e consumo, com capacidade de armazenamento de 200 metros cúbicos. A construção do hospital municipal do Cuilo está avaliada em mais de cinco milhões de dólares, estando as obras a ser efectuadas pela empresa chinesa de construção civil Sinomach.
Wandelson dos Santos esclareceu que já estão pagos 100 por cento dos valores previstos no contrato da obra, faltando apenas a conclusão física do empreendimento, que está na ordem dos 84%. O responsável da empresa de fiscalização disse ainda que a obra registou um ligeiro atraso, por dificuldades de transporte de material de Luanda para o município do Cuilo, mas reconheceu o empenho e a colaboração da empresa construtora em concluir os trabalhos.

Estrada nacional 225


O governador provincial da Lunda Norte, Ernesto Muangala, antes de chegar à sede do município do Cuilo, visitou o troço de 26 quilómetros da estrada nacional 225, que, por carência de verbas, tem as obras por concluir. O governador recebeu explicações de Paulo Carilho, director da empresa Griner, responsável pelas obras do referido troço rodoviário, sobre os preparativos técnicos que estão a ser feitos para a retomada dos trabalhos, ainda este ano. A EN-225 é considerada um importante eixo rodoviário a nível da região, por fazer a ligação entre sete municípios da província da Lunda Norte, com destaque para os de Chitato, Lóvua, Lucapa, Cuilo, Caungula, Cuango e Xá Muteba, e tem um percurso de mais de 500 quilómetros.
Paulo Carilho disse que o início das obras está a depender da finalização do orçamento e da assinatura do contrato entre a empresa que dirige e o Instituto Nacional de Estradas (INEA), tendo explicado que a proposta orçamental está avaliada em mais de 22 milhões de dólares e um período de execução de seis meses. O responsável do INEA fez saber ainda que os estaleiros já foram montados, assim como a central betuminosa para o fabrico de asfalto, referindo igualmente que o material para a construção da ponte, de 15 metros de comprimento, sobre o rio Luxico, também já se encontra no local.

Redução de óbitos


A administradora do Cuilo, Teresa Ngambo, mostrou-se satisfeita com o anúncio da retoma das obras da EN-225, considerando que a mesma vai permitir uma maior fluidez na movimentação de bens de consumo e serviços para o município. A responsável salientou ainda que, com a entrada em funcionamento do hospital municipal, se vai registar, claramente, uma redução substancial dos níveis de mortalidade materno-infantil.
Teresa Ngambo considerou que o centro médico existente na municipalidade é incapaz de garantir assistência médica ao grande número de pessoas que o procuram. Por exemplo, lamentou o facto de mulheres grávidas serem obrigadas a percorrer mais de 200 quilómetros, até ao Dundo, para terem acesso aos serviços de maternidade. Com a reposição da circulação de pessoas e bens, por via da conclusão da EN-225, a administradora do Cuilo disse que se vai atrair mais técnicos para a Educação e Saúde e outros sectores.

Tempo

Multimédia