Províncias

Hospital materno-infantil fica concluído em Setembro

Isidoro Samutula | Dundo

O primeiro hospital materno-infantil da província da Lunda Norte, com capacidade para 100 camas, é concluído em Setembro, no âmbito do programa de expansão da rede sanitária e de melhoramento da assistência médica e medicamentosa, anunciou quinta-feira o director provincial da Saúde.

Trabalhos no Hospital Provincial Materno-Infantil da Lunda Norte decorrem em ritmo acelerado e a obra fica concluída no mês de Setembro
Fotografia: Isidoro Samutula | Dundo

Buajica Mambelo falava à imprensa local no final da visita de campo que o governador provincial, Ernesto Muangala, efectuou às obras daquela infra-estrutura sanitária, que neste momento estão a receber retoques finais.
O hospital materno-infantil da Lunda Norte, uma infra-estrutura moderna, com dois andares, numa área de 3.300 metros quadrados, vai permitir o descongestionamento que se verifica actualmente nos hospitais Central do Dundo e Municipal do Chitato.
Segundo Buajica Mambelo, o novo hospital conta com duas salas de parto, 18 incubadoras, dois blocos operatórios, uma unidade de cuidados intensivos, neonatologia, sala de cuidados pós-anestésicos, morgue com 20 lugares, parque de estacionamento para acolher 83 viaturas, reservatório de água para combate a incêndios com capacidade para 300 metros cúbicos, reservatório de água de 52 metros cúbicos para o consumo, refeitório, quatro elevadores e um gerador de 600 kva.
O director provincial da Saúde esclareceu ainda que o rés-do-chão do edifício vai albergar uma área de emergência, com enfermarias, consultórios médicos, salas de observação, triagem e áreas de obstetrícia e ginecologia, além de serviços de raio-x e laboratórios de análises clínicas, que incluem electrocardiograma, ultra-som, mamografia e gastrointestinal. Os serviços de pediatria também vão ser instalados no rés-do-chão.
O primeiro andar vai albergar o bloco operatório, salas de cuidados intensivos e anestésicos, de parto, observação, preparação e pós-parto, além de áreas de internamento materno e neonatal.
Buagica Mambelo referiu que o hospital materno-infantil constitui um grande ganho, por ter valências que não se verificavam nas maternidades e pediatrias dos hospitais existentes na província.
Neste momento, acrescentou, trabalha-se na formalização da criação do hospital, através de um decreto executivo, assim como do estatuto orgânico e orçamento, para garantir  um melhor funcionamento da instituição. O director provincial da Saúde assegurou que, para se garantir o bom funcionamento da unidade sanitária são necessários, no mínimo, 20 médicos e 200 técnicos, entre enfermeiros e especialistas. “Vamos trabalhar com os recursos humanos existentes e disponíveis nas unidades sanitárias em funcionamento, fazendo uma gestão racional de quadros”, disse, sublinhando que será feito um estudo de ajustamento dos recursos humanos, para que alguns possam ser transferidos para o hospital materno-infantil.
Outra preocupação manifestada pela Direcção Provincial da Saúde e da empresa construtora Sinomach prende-se com a falta de energia eléctrica e de água potável canalizada, porque as ligações ainda não foram efectuadas, situação que pode ser ultrapassada antes da entrada em funcionamento da instituição. “Recebemos garantias da Direcção Provincial de Energia e Águas que, nos próximos tempos, a situação será resolvida”, assegurou Buajica Mambelo.

Obras avançam no Lucapa


O governador provincial, Ernesto Muangala, foi também constatar os avanços que se registam nas obras de construção do hospital municipal do Lucapa, a 150 quilómetros da cidade do Dundo, capital da província da Lunda Norte. O hospital municipal do Lucapa está a ser projectado para 40 camas e vai ser equipado com meios modernos de diagnóstico, como forma de melhorar a assistência médica e medicamentosa à população da região.
O director municipal da Saúde, Adolfo Agostinho Kativa, esclareceu que a conclusão da infra-estrutura está prevista para o final deste ano e apontou as valências do hospital municipal, que visam melhorar a qualidade dos serviços primários de saúde, destacando-se a pediatria, consultas pré-natal e de medicina e a área ambulatória de tratamento e de cirurgias.
Segundo Adolfo Agostinho Kativa, o novo hospital vai possibilitar uma maior mobilidade no atendimento aos pacientes, uma vez que o actual, em funcionamento desde o início dos anos setenta do século XX, já não suporta a procura, tendo em conta o crescimento da população.
“A cidade do Lucapa está a crescer e é necessário acompanharmos o desenvolvimento da densidade populacional. Isto pressupõe a construção de novas infra-estruturas sanitárias, para melhor servir a população”, disse o director municipal da Saúde. 
No final da vista, o governador provincial da Lunda Norte mostrou-se satisfeito com o andamento das empreitadas e disse esperar que antes do fim deste ano se possa colocar as duas infra-estruturas sanitárias à disposição da população.
Ernesto Muangala considerou que a entrada em funcionamento dos hospitais provincial materno-infantil e municipal do Lucapa representa um ganho para a província, que comemora amanhã 38 anos e afirmou que a expansão da rede sanitária vai continuar a ser uma das prioridades do governo provincial, nos próximos anos.

Tempo

Multimédia